27 de jan de 2016

Shirley (Charlotte Brontë) – DL L&T 2016



Título: Shirley
Autora: Charlotte Brontë
Mês: Janeiro
Tema: Romance de época
Editora Pedrazul, 397p.

O ano é 1881, quando toda a região de Yorkshire se encontra sob o peso da guerra napoleônica. O comércio é difícil e muitos usineiros são obrigados a medidas drásticas para evitar o destino de milhares de famílias que passavam fome e se encontravam completamente miseráveis. Caroline Helstone é uma jovem de temperamento doce, órfã desde cedo que vive com seu tio, o reverendo Mr. Helstone. Ela se torna aluna de uma prima distante, Miss Moore, irmã de Robert Moore, inquilino do maior moinho da aldeia de Briarfield, na região de Yorkshire. O moinho se encontra nas terras da jovem herdeira Miss Shirley Keeldar. Estas duas moças não poderiam ser mais diferentes: Caroline é tímida, enquanto Shirley tem toda a confiança de uma herdeira de grandes terras e fortuna, que logo após chegar no local consegue chamar atenção de vários pretendentes. Exceto de Mr. Moore que, muito preocupado com a situação do seu moinho, nunca reparou que a jovem pupila de sua irmã lhe dedicava um forte sentimento. Até que uma desilusão e a chegada de Shirley, que guarda um segredo, transforma tudo ao seu redor.

Mais uma vez eu me encontro em uma situação difícil para resenhar um livro de Charlotte Brontë. Não sei porque, esse foi o terceiro livro que li da autora e segundo após Jane Eyre. Acho que essa dificuldade tem a ver com o fato de que, erroneamente, fico esperando que todos os livros dela sejam iguais a Jane Eyre. Não que sejam muito diferentes, afinal são romances de época e também podem ser vistas as ironias sociais e (uma das coisas que eu amo nesta autora) o tema da independência feminina. Acho que é porque eu já vou esperando encontrar outro Mr. Rochester, um protagonista masculino que me prendeu a atenção desde o início em Jane Eyre. Não encontrei isso nem em Villette nem em Shirley, e deve ser daí minha (quase) decepção com a história. Apesar disso, valeu a pena ler, não só porque eu gosto muito da autora, mas porque eu amo romances clássicos onde existe uma mulher do tipo de Shirley, cuja independência me atrai demais. E mesmo não gostando de sentimentos platônicos como o de Caroline por Robert, não consegui sentir aversão a personagem (o que geralmente acontece quando me deparo com personagens sonhadoras assim). Recomendo.

25 de jan de 2016

A caminho do verão (Sarah Dessen) – IDY 2016



Título: A caminho do verão
Autora: Sarah Dessen
Mês: Janeiro
Tema: Verão
Editora iD, 416p.

Auden é o tipo de garota estudiosa que não teve uma infância “normal”. Sempre muito focada nos estudos, ela não viveu as experiências que uma jovem da idade dela vive, durante a infância e a adolescência. Agora, prestes a entrar pra faculdade, ela recebe um convite de passar o verão na casa do pai e da madrasta com sua nova meia irmã na pequena cidade litorânea chamada Colby. Após receber um porta-retrato do irmão aventureiro em pé na frente do Taj Mahal, ela decide fazer algo diferente na vida e decide aceitar o convite do pai. Ao conhecer um garoto misterioso e encantador, Eli, Auden se vê experimentando pela primeira vez uma vida sem preocupações.

Quando vi as opções do mês, esse não foi o primeiro livro da lista. Apesar do tema ser bem fácil e estar presente em outro desafio que participo, tinham várias opções de leitura. Este livro eu tinha selecionado para o outro desafio, mas tive que mudar por dois motivos: primeiro, eu queria um livro pequeno e fácil de ler, considerando que eu estou em mais três desafios, dois deles são duas leituras por mês e de todas as leituras que terei que cumprir pra janeiro, dois livros eu tenho consciência de que serão leituras difíceis pelo fato de que eu não gosto de deixar nenhuma série inacabada; o segundo motivo diz respeito a minha falta de grana (e de pontos no Skoob Plus) que me inviabilizou conseguir Um verão para toda vida, o que eu tinha selecionado para o IDY. De forma geral, eu até gostei. Um chick-lit bem divertido.

22 de jan de 2016

O teste (Joelle Charbonneau) – RC 2016


Título: O teste: introdução
Autora: Joelle Charbonneau
Mês: Janeiro
Tema: Distopia
Editora Única, 11p.

Zeen, irmão mais velho de Cia, é considerado o aluno mais esperto e todo mundo diz que ele será chamado para fazer o Teste. Só que o dia da formatura chega e vai sem que isso aconteça. Zeen não quer saber de passar o resto da vida trabalhando para o pai, então ele tenta sair de casa na surdina, sem despedidas, até que uma conversa com o pai o faz desistir. A partir desse momento, é Cia quem começa a se preparar para ser chamada para fazer o Teste.

Livro fininho, leitura bem rápida. Esse ebook é somente um guia de introdução ao mundo distópico de Joelle Charbonneau. Nele fica claro o profundo laço que une Cia e seu irmão Zeen, coisa que é rapidamente mostrada no primeiro livro da série (foi o único que li até agora). Para quem gosta da série, esse ebook é obrigatório. Recomendo.

20 de jan de 2016

Quem é você, Alasca? (John Green) – RC 2016



Título: Quem é você, Alasca?
Autor: John Green
Mês: Janeiro
Tema: Com “W” e “H” no título original
Editora Martins Fontes, 230p.

Miles Halter é um garoto sozinho e introspectivo, apaixonado por biografias e últimas palavras, que é transferido para o antigo colégio interno de seu pai. Lá, ele conhece Chip Martin, Takumi e Alasca Young, uma garota maluca apaixonada por livros e que se torna bem próxima de Miles. Dona de uma personalidade cativante e com a capacidade de fazer loucuras sem sentido nenhum, Alasca acaba fazendo Miles se apaixonar por ela. A história evolui, os personagens mudam, adquirem novos interesses e seus laços estreitam, à medida que a estranha contagem de dias nos títulos de cada capítulo vão passando. Uma tragédia leva a um desfecho excelente com uma bela mensagem sobre amor e amizade.

Outro livro de John Green... Esse autor é, para mim, como o Nicholas Sparks, de quem eu só leio livros quando tenho desafios literários. Sempre tem alguma categoria na qual algum livro deles se encaixam. No caso do Sparks, parei depois de dois livros e quatro filmes, cansei de histórias que me faziam só chorar. De John Green eu li só A culpa é das estrelas e só vi o filme homônimo também, e perdi a vontade. Mas pra variar, tinha alguma categoria nos desafios desse ano onde eu pudesse encaixar algum livro dele. E como não podia deixar de ser, claro que esse livro também tem uma tragédia no final :\ Apesar disso, mesmo que não vá ler de novo, gostei.

18 de jan de 2016

Mago As trevas de Sethanon (Raymond E. Feist) – RC 2016



Título: Mago As trevas de Sethanon
Autor: Raymond E. Feist
Mês: Janeiro
Tema: Continuação
Editora Saída de Emergência, 478p.

Todos achavam que não havia mais Falcões Negros. Após um ano de calmaria, o reino está comemorando a apresentação dos dois filhos de Arutha e Anita e o povo está em festa. Até que descobrem que o perigo ainda não passou e que não, os Falcões Negros não sumiram. Arutha parte para luta e um atentado contra sua vida leva a um plano audacioso de perseguição a Murmandamus. Só que ele não consegue mentir para Jimmy, seu escudeiro fiel, e assim partem ambos, Martin, Baru, Laurie, Roald e Locklear para o norte, em direção as terras após as cordilheiras. Enquanto isso, Pug, que havia viajado para o extremo norte do império e aprendeu muito com os eldar, elfos anciões há muito julgados desaparecidos. Junto a Thomas, eles partem em uma viagem perigosa e fora do tempo na tentativa de salvar Midkemia de uma vez por todas.

Finalmente, terminei. Uma série que me interessou somente pela capa e porque as pessoas falavam muito bem e recomendavam. Como eu disse antes, a história não é ruim, só perdeu o encanto por causa de alguns personagens. Agora que li toda a história, acho que o que faltou realmente foi um pequeno glossário para falar um pouco sobre os lugares e personagens, pois eles são, à primeira vista, complexos, somente para facilitar a leitura, porque eu tive a sensação, desde o início, de ser jogada num mundo diferente sem nenhuma introdução, o que me confundiu um pouco. Talvez isso seja somente uma desculpa para o meu desgostar da série, não sei. Não quero ser injusta. Só que a história, mesmo com esse último livro completamente eletrizante, não me prendeu. No entanto, eu recomendo aos fãs de fantasia.

15 de jan de 2016

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do universo (Benjamin Alire Sáenz) – RC 2016



Título: Aristóteles e Dante descobrem os segredos do universo
Autor: Benjamin Alire Sáenz
Mês: Janeiro
Tema: Sobre cultura diferente, religião ou orientação sexual
Editora Seguinte, 392p.

Aristóteles, ou somente Ari, e Dante se conhecem em um verão do ano de 1987. Ambos com descendência mexicana, eles são diferentes dos outros garotos da sua idade. Mas eles também são diferentes entre si: enquanto Ari é introspectivo, Dante é mais falante. A amizade cresce, eles se tornam confidentes inseparáveis, até mesmo durante o tempo em que o pai de Dante consegue um emprego longe e a família tem que se mudar. Após um acidente que quase fatal, a amizade entre as duas famílias também se estreita. Ari e Dante passam a adolescência juntos, partilhando segredos, questionando os segredos da vida e descobrindo mais sobre os próprios sentimentos.

Esse livro foi uma completa surpresa. Depois de consegui-lo em uma troca, ele ficou guardado um tempão na estante. Recentemente havia decidido que ia trocá-lo, mas ainda relutei porque não gosto de me desfazer de um livro sem antes ler ele (por isso participo de tanto desafio literário, pra poder ler livros que eu sei que não vou querer ficar e poder passá-los adiante sem culpa rsrs). Não esperava que a história fosse como é. Isso não é uma crítica ruim, longe disso. Só fiquei completamente surpresa, principalmente do meio do livro em diante, apesar de que um leitor mais atencioso do que eu conseguiria ver o rumo que a amizade entre Ari e Dante estava tomando kkkkkkkkkkkk Gostei muito do livro, começa de uma maneira bem simples e despretensiosa e à medida em que se vai lendo, percebemos a sutil crítica a nossa sociedade (onde ainda existe muito preconceito contra os homossexuais, inclusive dentro de suas próprias famílias). A narrativa é fluída e os capítulos curtos não são cansativos. Valeu cada minuto.

13 de jan de 2016

Oliver Twist (Charles Dickens) – DL 2016


Título: Oliver Twist
Autor: Charles Dickens
Mês: Janeiro
Tema: Recomendado por famoso
Editora Hedra, 376p.

Oliver Twist é órfão. Nascido em um abrigo para pobres, a mãe morre quando ele nasce. Assim, Oliver cresce no abrigo, cercado de maus tratos como todas as crianças ao redor dele. Aos nove anos, ele é levado para trabalhar como aprendiz em um agência funerária. Ele acaba se envolvendo em uma confusão e foge, chegando a Londres, onde conhece Artful Dodger, e através dele conhece Fagin, um aliciador de crianças que tenta introduzi-lo no mundo do crime. Olver acaba se envolvendo em um roubo, mas sua inocência é comprovada pelo Sr. Brownlow. O menino acaba sendo acolhido por esse homem e pela primeira vez experimenta um tratamento carinhoso. Mas a vida de Oliver nunca foi fácil e isso se comprova quando cai em uma armadilha de Fagin eé raptado. Ao ser usado para assaltar uma mansão, as coisas não saem como planejado e o menino descobre coisas sobre seu passado que nem havia imaginado.

Sempre tive curiosidade de ler Charles Dickens e entender o fascínio que muitas pessoas tem por esse autor. Na verdade, a única história dele que eu conheço e adoro é a história do fantasma do milionário pão-duro que aparece para ele na noite de Natal (conheci através das várias versões da história feita pela Disney e amo, aliás, a versão original também está na minha lista de leitura esse ano). Gostei bastante da história, me descabelei em vários momentos (porque parecia simplesmente que Oliver havia nascido sob a estrela negra da sorte). Totalmente recomendado.

11 de jan de 2016

Eu me chamo Antônio (Pedro Gabriel) – DL 2016


Título: Eu me chamo Antônio
Autor: Pedro Gabriel
Mês: Janeiro
Tema: Poesia
Editora Intrínseca, 192p.

Antônio gosta de freqüentar bares do Rio de Janeiro. Entre um chope e outro, ele utilizava os guardanapos para escrever comentários sobre a vida. Através de desenhos e frases, ele demonstra suas alegrias e tristezas, o se apaixonar, os encontros e desencontros, as decepções, tudo em forma de poesia.

Um livro pequeno e fácil de ser lido. Não sou chegada em poesia, então esse foi um excelente achado para o tema do mês. Os desenhos e imagens são lindos e a forma como o Pedro Gabriel (que não é brasileiro, apesar do nome) trabalha com as palavras é incrível. Dividido em 10 partes, o livro fala de amor e de temas que fazem o leitor pensar. O mais legal são as fotos dos guardanapos em que Pedro escrevia seus pensamentos. Com esses guardanapos, ele criou uma página no facebook que foi muito visualizada e levou a publicação de Eu me chamo Antônio e Segundo Eu me chamo Antônio. Adorei.

8 de jan de 2016

Um motim no tempo (James Dashner) – DL 2016



Título: Um motim no tempo
Autor: James Dashner
Mês: Janeiro
Tema: Escrito por um homem
Editora Seguinte, 239p.

Dark Smith e Sera Froste são amigos inseparáveis. Dark é apaixonado por história e adora comer queijo. Sera, apaixonada por ciência, é tão nerd quanto Dark. Enquanto ele tem uns episódios onde começa a palestrar emocionadamente sobre algum evento histórico interessante, Sera sofre com um tipo de fenômeno chamado Reminiscência, quando ela tem uma sensação muito forte de que algo vai acontecer com toda a certeza do mundo, sensação essa que sempre vem acompanhada de dor. Em uma das vezes que os pais de Dark viajam, ele e a amiga entram no laboratório proibido dos pais e descobrem no que eles trabalhavam: um dispositivo chamado Anel do Infinito que possibilita viajar no tempo. Quando os pais dele voltam e usam o dispositivo, Dark na ultima hora resolve acompanhá-los, mas algo dá errado na viagem de volta e Dark e Sera são capturados pelos Guardiões da História, uma organização que luta contra a SQ, um grupo que controla o planeta, mas que não faz nada para impedir os problemas que acontecem no mundo. Quando a SQ invade a organização, os dois mais um jovem prodígio no que diz respeito a idiomas chamado Riq são levados a Espanha de 1492 para impedir a primeira Fratura temporal: um motim que faria com que Cristovão Colombo jamais chegasse a América.

Esse livro é muito legal. Pequeno, leitura rápida que durou uma tarde, não consegui largar. Adoro histórias com esse tema de viagem no tempo e as complexidades inerentes. Os protagonistas são muitos divertidos, principalmente Dark e sua compulsão por declamar fatos históricos na frente de qualquer um e em qualquer lugar. Outra coisa legal sobre essa série é que os livros são escritos por vários autores. Além desses vários pontos favoráveis, a editora Seguinte (que está se tornando uma das minhas editoras favoritas), criou um jogo de pistas para quem quiser se aventurar pela história também. Vale muito a pena. O primeiro episódio do jogo se chama O rei dos diamantes e segue exatamente de onde parou esse livro.

6 de jan de 2016

Mago Espinho de prata (Raymond E. Feist) – DL 2016



Título: Mago: espinho de prata
Autor: Raymond E. Feist
Mês: Janeiro
Tema: De gênero favorito
Editora Saída de Emergência, 414p.

Após a Guerra do Portal, como ficou conhecida a guerra contra os invasores do mundo de Kelewan, o Reino das Ilhas aproveitou um período de paz. Lyam, Arutha e Martin regressam a Rillanon após meses de viagem pelos reinos vizinhos, Carline dá um ultimato a Laurie e Arutha fica noivo de Anita. Quando o príncipe volta para Kondor, descobre por Jimmy, o esperto ladrão que o ajudou no passado, que sua cabeça está a prêmio. Junto aos irmãos, Arutha arma uma emboscada e captura dois assassinos, descobrindo que poderes obscuros desejam sua morte. No meio disso tudo, seu casamento se aproxima e no dia da cerimônia, o que deveria ser uma ocasião feliz se transforma em pesadelo quando Anita recebe o ferimento fatal destinado a Arutha. Enlouquecido de raiva e pesar, o príncipe parte em uma busca desesperada pelo antídoto ao Espinho de Prata, veneno que está matando sua noiva. Durante sua busca, ele descobre mais sobre seus inimigos. Enquanto isso, Pug retorna a Kelewan para descobrir mais sobre o que os perigos que rondam os dois reinos.

A primeira coisa que eu tenho a dizer sobre esse livro é: que leitura sofrida. Faz tempo que eu queria terminar a leitura dessa série, só não estava com coragem de começar. Este é o terceiro livro, e só de pensar que ainda tenho mais um... Para ser justa, a história não é ruim. Ela prende a atenção, o problema (para mim, que sou fã de Tolkien), e talvez eu esteja sendo injusta com a comparação, é que toda história agora que fala de elfos, eu penso na criação de Tolkien. E, claro que não dá pra comparar porque são autores diferentes, mas Raymond utiliza muitos elementos e até nomes criados por Tolkien. Os nomes dos lugares são outros fatores que me desanimaram pela sua estranheza. Enfim, quero ler logo o último. Vamos ver se me faz mudar de idéia quanto a passar adiante a coleção.

4 de jan de 2016

Desafios para 2016

Então, chegou 2016. Um novo ano, com muito mais novidades e paixões literárias.

Ano passado participei de dois desafios literários e consegui cumprir todos \o/ Esse ano continuo participando do Reading Challenge criado pelo Goodreads, e continuo com o mesmo grupo que criou o Desafio Literário 2015 (esse ano, Desafio Literário 2016). Aliás, só para situar vocês, o Reading Challenge do ano passado foi traduzido pela Mari Pacheco, do blog Mari The Reader, e foi acompanhado em um grupo pelo facebook, o mesmo que esse ano lançou o Desafio Literário 2016.




A novidade fica por conta dos desafios I Dare you 2016 e do Desafio Literário Livros & Tal 2016. O diferencial entre este último e os outros está no fato de que os blogueiros não tem antecipadamente os temas de TODOS os meses. É isso mesmo, nós só vamos saber o tema de cada mês no mês anterior. Além disso, as meninas do Livros e Tal resolveram atribuir pontos para cada leitura e no fim do ano darão um prêmio a quem cumpriu todas as regras e somou mais pontos. O desafio I Dare You disponibiliza três opções de temas para cada mês e a pessoa escolhe qualquer um ou os três.



Minhas listas estão feitas. Para conferir, basta dar uma olhada na minha Meta de Leitura.