25 de out de 2013

Até eu te encontrar (Graciela Mayrink)


Título: Até eu te encontrar
Autora: Graciela Mayrink
Editora Novo Conceito, 382p.

Flávia é órfã de pais desde os cinco anos. Criada pelos tios e sem saber muito sobre a vida da mãe, acabou de se mudar para Viçosa, para cursar Agronomia na UFV. No primeiro dia, acaba conhecendo Felipe, um cara super gente boa que a ajuda a escapar do trote dos calouros. Ela também conhece outras pessoas, dentre elas Gustavo e Sônia. Esta é dona da única loja de produtos esotéricos da cidade e sabe muito mais do que aparenta mostrar... Em um jantar que oferece para uma amiga e sua família, Sônia convida Flávia, que aceita. Lá, ela conhece Lauren, filha do casal convidado, e se torna amiga da jovem, sem saber que a mãe dela foi uma grande amiga de sua própria mãe. A amizade com Lauren se estreita, e ela percebe que a menina já conhecia seus mais recentes amigos: Felipe, Mauro, Luigi e a insuportável namorada deste, Carla. Aliás, a mesma mostra logo de cara que não gosta de Flávia. Nenhum dos amigos de Luigi gosta dela, enquanto Flávia, sem nem saber por quê, começa a antipatizar com Luigi. Quando eles finalmente se conhecem, a antipatia de Carla por Flávia aumenta, a antipatia de Flávia por Luigi aumenta, mas Luigi começa a se sentir estranho, principalmente quando ele vê a moça tão perto de Felipe, seu grande amigo... No meio de tudo isso, Flávia descobre muito mais do que gostaria sobre a história de sua mãe: ela fazia parte de um grupo de bruxas Wicca. Flávia, sua herdeira, também tem o mesmo poder. Mesmo sem acreditar muito nisso, ela aceita as orientações de Sônia, ao mesmo tempo em que seus sentimentos por Luigi começam a mudar. Será que ela acredita que encontrou sua alma gêmea?

Esse livro foi uma surpresa. Foi mais um que me ensinou a não ser “preconceituosa” com os novos talentos da literatura nacional. A nova capa ajudou, porque eu escolhi e depois que vi o título, aí percebi que já conhecia o livro por indicação de outras pessoas. Graciela conseguiu falar da magia Wicca de uma forma bem diferente a que estou acostumada a ler, sem focar muito na questão da Deusa, e sim mostrando seus ensinamentos (se você já fez uma simpatia para o bem, então conhece um pouquinho do assunto rs). Gostei muito, principalmente porque a narrativa não é enrolada, a autora foi a segunda que li que não se perde em muitas descrições nem em longas temporalidades, ela vai logo direto ao ponto chave da história. Não sou muito chegada em livros que comecem a falar de alma gêmea e essas coisas, mas a autora conseguiu não ser melodramática ao abordar o assunto. Gostei muito, qualquer hora dessas releio. Super indicado.

Linhas (Sophia Bennet) – Fuxicando sobre Chick-lits



Tema: Livre
Mês: Outubro
Livro: Linhas
Autora: Sophia Bennet
Ed. Intrínseca, 288p.

Nonnie, Edie e Jenny são amigas que curtem coisas diferentes. Nonnie adora moda, e demonstra isso em seu estilo peculiar de se vestir. Jenny ganhou um papel num filme de Hollywood, e contracena com o ídolo das adolescentes do momento, mas não está nem um pouco segura de seu talento na frente da câmera. Edie é a estudiosa, que quer mudar todas as coisas erradas no mundo. Ela dá aulas de leitura para uma menina que tem problemas, uma garotinha que se veste de uma maneira um tanto incomum. Elas acabam se conhecendo e Nonnie descobre o grande potencial que a menina, Crow, tem para a moda. Seus desenhos são lindos, e ela sabe costurar e fazer roupas incríveis. Tentando ajudá-la, Nonnie e suas amigas descobrem mais sobre a triste história de vida de Crow e acabam se envolvendo com o glamuroso (e cansativo) mundo da moda.

Esse livro não foi nada do que esperei. A capa realmente me chamou a atenção, mas depois meio que me arrependi de comprar. Não esperava nada, a não ser uma história para rir, mero entretenimento, Me enganei terrivelmente. A história prende a atenção. Fiquei imaginando o tempo todo os figurinos que Crow bolava, mesmo sem entender nada de moda, fiquei babando nas roupas que ela criava. Além disso, a própria história de vida da menina faz você querer saber mais, e o final foi muito bom. Uma história muito boa, que serve para divertir e te deixa com muita vontade de correr pra ler a continuação. Super indico.

3 de out de 2013

Despertar (Amanda Hocking)


Título: Despertar
Autora: Amanda Hocking
Editora Planeta, 207 p.

Gemma é linda, jovem, namora Alex e pode realizar o sonho de se tornar nadadora olímpica. Ela adora nadar, se sente mais livre, mais leve, Gemma se sente em paz quando está nadando. Sua irmã, Harper, e seu pai não se sentem confortáveis toda vez que Gemma sai para dar seus mergulhos noturnos. Harper na verdade se sente como uma mãe para a irmã e tenta de todas as formas controlá-la. Ela está há pouco tempo de partir para a faculdade, e quando ela for, Gemma e seu pai ficarão sozinhos. Por isso ela evita ter um relacionamento amoroso, mas Daniel, um jovem que mora na lancha ancorada no estaleiro onde seu pai trabalha, vive tentando fazê-la sair com ele. No entanto, uma coisa ela e Daniel têm em comum: o fato de não gostar de três estrangeiras. Bonitas e sedutoras, com um toque de perigo na voz aveludada, Penn, Lexi e Thea apareceram na temporada de turismo e desde que botaram os olhos em Gemma, querem trazer a garota para seu grupo... Mas, apesar de não gostar de nenhuma delas, Gemma não consegue resistir quando, em um de seus mergulhos noturnos, uma voz melodiosa a chama para chegar mais perto... 

Esse livro me surpreendeu. Pensei que seria mais uma versão da história da sereia que se apaixona por um humano, mas não é nada disso. Nem ao menos se trata de sereias e sim sirenas, criaturas mitológicas mais perigosas. De forma geral, gostei. Pensei que seria uma história de sereias do mesmo tipo de Mermaid, mas é totalmente diferente, em um bom sentido. Mostra uma nova versão das sereias. Ansiosa agora pra ler o que acontece a aseguir. Indicado.

Sushi (Marian Keyes) - DL 2013


Tema: Histórias de superação
Mês: Outubro
Título: Sushi
Autora: Marian Keyes
Ed. Bertrand Brasil, 574p.

Lisa Edward é uma editora durona que foi escalada (ou deportada) para Dublin a fim de começar uma revista do zero. Ashling Kennedy é a assistente de Lisa neste novo projeto. Clodagh é a melhor amiga de Ashiling desde que ambas são pequenas, uma dona de casa cansada da monótona tranqüilidade de sua vida de casada e mãe de família. Ambas acham que falta algo em sua vida: Lisa gostaria de se tornar editora chefe de outra revista do grupo em Nova York, Ashling quer um namorado e Clodagh quer mudar sua vida perfeita. Os caminhos das três se cruzam e, apesar de tão diferentes na essência, elas buscam a mesma coisa: felicidade.

Mais um livro da Marian Keyes. Meio chato, devo dizer. Acho que por ter me acostumado com a “atividade” das personagens principais de Melancia e Férias, achei esse livro parado demais. Lisa é a mulher moderna, que vive para o trabalho (odiei o marido dela ficar se queixando que ela só trabalhava). Ashiling é super legal, uma jovem que só quer arranjar um namorado e conseguir um emprego legal. Clodagh é a dona de casa que está cansada de seu marido perfeito (de longe, foi a que mais me irritou). Não é meu livro favorito da autora, mas vale a leitura. De uma forma ou de outra, Marian consegue manter a atenção do leitor.