29 de dez de 2013

Deixe a neve cair (John Green, Mauren Johnson e Lauren Myracle)


Título: Deixe a neve cair
Autores: John Green, Mauren Johnson e Lauren Myracle
Ed. Rocco, 335p.

No primeiro conto, Jubileu está se arrumando para as comemorações do Natal, quando recebe a notícia de que seus pais foram presos. Desanimada por não passar mais a festa com o namorado, ela embarca no trem para a casa dos avós na Flórida, já que os pais não querem que ela fique sozinha. No meio do caminho, ocorre um problema com o trem graças à neve. A sorte é que ela encontra uma lanchonete aberta e conhece Stuart, um carinha muito legal que a convida para passar a noite com sua família. Ao mesmo tempo em que tenta se comunicar com Noah, seu namorado, ela percebe alguma coisa no ar com relação a Stuart, que teve o coração partido e não havia (ainda) se recuperado...
O segundo conto mostra Tobin, JP e Duke em casa, passando a véspera de Natal assistindo uma maratona dos filmes de James Bond. Quando Keun liga para chamá-los para irem a Waffle House, onde acabaram de chegar várias líderes de torcida. JP e Tobin se empolgam logo, e Duke (na verdade, Angie) os segue. Mas o caminho se torna difícil por causa da nevasca, e quando o carro de Tobin dá problema, eles continuam o caminho a pé. Eles passam por várias outras situações, o que faz Tobin questionar se vale mesmo a pena continuar só para ficar com algumas líderes de torcida, sem perceber o que está bem óbvio ao seu lado.
O terceiro conto fala de Addie e como ela se sente após ter terminado seu namoro. O Natal já passou, e ela não recebeu a resposta que queria de Jeb, Tegan e Dorrie, suas amigas, aparecem para consolá-la, e Addie acaba escutando o que não quer ouvir. No dia seguinte, ela vai trabalhar e certas coisas vão acontecendo, que a fazem perceber que as amigas tinham razão ao seu respeito. Quando ela se esquece de pegar o mini porco que Tegan havia comprado, Addie faz de tudo para encontrá-lo. E acaba conseguindo o presente que mais queria de Natal.

Um livro muito leve e fácil de ler. Foi a primeira vez que li algo de John Green (estou me preparando para ler A culpa é das estrelas) e gostei muito. Também gostei das histórias das outras autoras, muito boas. Todas no clima do Natal. O legal é que eles conseguiram sincronizar suas histórias, para que os acontecimentos tenham início (antes do Natal), meio (dia de Natal) e fim (depois do Natal). Adorei e recomendo.

Bling ring (Nancy Jo Sales)



Título: Bling ring: a gangue de Hollywood
Autora: Nancy Jo Sales
Ed. Intrínseca, 271p.

Entre 2008 e 2009, as residências de atores e personalidades famosos como Orlando Bloom, Lindsay Lohan e Paris Hilton foram alvos de um grupo de jovens ladrões. Mas eles não eram quaisquer ladrões, eram um grupo de jovens rodeados de luxo e que tinham uma condição de vida estável. Sem usar máscaras ou luvas, eles confiavam somente em sua boa aparência e em seus gestos discretos para praticar os roubos, pois passeando pelos bairros elegantes, ninguém desconfiaria se tratarem de ladrões. Eles não contavam que algo fosse dar errado ou que fossem ser pegos. Mas a verdade sempre vem à tona.

Não sei bem o que pensar desse livro. Achei que ele contaria a história que vemos no filme da Soffia Coppola, mas não. Esse livro mostra o que seriam os bastidores do filme, posso dizer que esse livro serviu mais ou menos de fonte de pesquisa para o filme (apesar de que na verdade, não é isso, só parece). Por causa dos dados. Nancy Jo Sales foi a autora do artigo que fala dos jovens aparentemente bem de vida que roubavam famosos. O artigo serviu de base para o filme. O livro é bom porque não fala só dos roubos, mas fala de cada jovem em particular e analisa essa questão da fama X fãs X dinheiro. Tem partes realmente boas, como por exemplo as narrações dos encontros com os jovens ladrões, suas motivações nas palavras deles mesmos. Nancy fala de cada roubo, de como a polícia trabalhou em cada caso, de tudo. Achei meio arrastado no início, e a falta de uma ordem cronológica me cansou, mas gostei.

1 de dez de 2013

Fiquei com seu numero (Sophie Kinsella) – Fuxicando sobre Chick-lits


Tema: Sophie Kinsella
Mês: Dezembro
Livro: Fiquei com seu número
Autora: Sophie Kinsella
Ed. Record, 464p.

Poppy Wyatt está de casamento marcado com Magnus, que pertence a uma família de grandes pesquisadores acadêmicos. Seu anel de noivado é herança de família, um dos motivos que fazem Poppy ficar louca da vida quando descobre que perdeu seu anel. Tentando recuperá-lo, ela distribui seu número de celular para receber noticias do paradeiro da jóia. Como desgraça pouca é bobagem, ela também perde o celular e fica sem ter como receber algum aviso sobre o anel. Ao encontrar um celular no lixo, ela volta a distribuir o numero, sem saber que esse celular é de uma ex-assistente de um executivo, que agora quer o aparelho de volta. Só que ela não quer devolvê-lo, mas se prontifica a encaminhar as ligações e emails que receber para o tal executivo. Só que isso só gera mais confusão ainda.

Mais um livro da Sophie Kinsella. Como o primeiro que li dela, adorei esse também. As encrencas em que a protagonista se mete são engraçadas, as tentativas de se livrar dos problemas são hilários, a leitura é confortável, mesmo com um final meio que inusitado. Vale muito a pena a leitura. Mais um indicado.

Christmas at Pemberley (Regina Jeffers) - DL 2013


Tema: Natal
Mês: Dezembro
Título: Christmas at Pemberley
Autora: Regina Jeffers
Ed. Ulysses Press, 336p.

O Natal está chegando. Na tentativa de animar Elizabeth, abatida e melancólica por conta dos abortos que sofreu, Darcy convida os Bennet e os Bingley para comemorar a data em Pemberley. O que ele não esperava que acontecesse era ele e Lizzy ficarem praticamente presos em uma pousada no caminho para casa, devido a uma nevasca. Enquanto eles esperam uma oportunidade de continuar a viagem, Lizzy fica preocupada em ajudar Mrs. Joseph, grávida e prestes a entrar em trabalho de parto. Nesse meio tempo, os convidados começam a chegar em Pemberley e Georgiana precisa receber a todos, como boa anfitriã. O que ela não contava era com a chegada de visitantes inesperados, um deles sendo Lady Catherine, que até o momento não havia perdoado Darcy por trocar sua filha por Elizabeth. A jovem precisa deixar de lado sua insegurança para lidar com várias situações ao mesmo tempo: a tia intratável; a chegada do coronel Fitzwilliam e seus sentimentos por ele; a paixão de Caroline Bingley por um americano misterioso que ninguém, além de Mrs. Bennet, gostou (na verdade, ela quer mesmo é empurrar Kitty para o homem). Além de várias outras situações desagradáveis. O que será que se pode esperar de um Natal em Pemberley, com tantos conflitos sentimentais?

Esse livro foi, na verdade, uma leitura bem divertida. Eu não esperava que fosse ser assim. Mas é legal ver uma história com os meus personagens favoritos (e outros não tão favoritos assim), tendo como pano de fundo uma época como o Natal. Lady Catherine sempre é bem-vinda, não só porque sua presença é marcante, mas porque Darcy faz com que ela engula alguns de seus preconceitos só pela simples presença de Elizabeth como senhora de Pemberley. Gostei muito de Anne e Georgiana nessa história, elas estão mais seguras. No conjunto, adorei a história e super recomendo.

12 de nov de 2013

Filme Tolkien & Lewis


Mais uma excelente indicação do site Tolkien Brasil.
Está em produção o filme Tolkien & Lewis, que irá abordar a história de ambos os escritores. O projeto conta com uma equipe que, em sua maior parte, já têm nome. Responsáveis pela produção executiva são Mark Cooper (dentre seus outros trabalhos estão Shakespeare apaixonado e A outra), Joan Lane (O discurso do rei).
O roteiro está a cargo de Jacqueline Cook e Paul Bryan. Quanto ao elenco, ainda não foram escolhidos os atores principais (nesse quesito, eles precisam ser bastante cuidadosos, já que, no mínimo, interpretar Tolkien e Lewis não é para qualquer um). No entanto, já foi divulgado o pôster oficial (acima).
Ainda não tem uma data especifica para o lançamento do filme, mas pode acontecer em algum momento de 2014 (ano que vem!!!!!!!) Agora só nos resta esperar.

Uma prova de amor (Emily Griffin)


Título: Uma prova de amor
Autora: Emily Griffin
Novo Conceito, 432p.

Claudia e Ben se conhecem num encontro às cegas armados por amigos em comum. Ela sempre disse que não queria ter filhos, desde pequena, e isso nunca mudou. Talvez esse tenha sido um dos fatores que acabaram com os seus antigos relacionamentos. Claudia, aos 31 anos, nem sabia mais se ainda conheceria um cara que tivesse o mesmo objetivo de vida que ela, ou seja, que também não quisesse ter filhos. Até Ben aparecer. Eles tem uma vida semelhante: adoram seus respectivos trabalhos, gostam de viajar, comer coisas exóticas e beber além da conta, eram bagunceiros e organizados, românticos e pragmáticos na mesma medida. Acima de tudo, os dois concordavam sobre um assunto que, na idade deles, virou tabu: ter filhos. Nenhum dos dois quer. Ela, acima de tudo, não sente essa necessidade que a maioria das mulheres na idade dele tem. Ele não vê isso como num defeito. Então, o relacionamento dá certo. Alguns meses depois do primeiro encontro, eles fogem e se casam, sem pompa nem circunstância, e sem suas famílias. A conversa em torno de filhos aparece com mais freqüência, e nenhum dos dois mudou de idéia, o que está tudo bem para ambos. Até que uma viagem com amigos muda tudo. Porque Annie estava grávida, e Ben começa a se interessar demais pelo progresso da gestação da amiga, chegando até mesmo a grudar uma foto do ultrassom na geladeira de casa. Ben resolve ser claro e dizer que quer ter filhos. Em um primeiro momento, Claudia leva na brincadeira, achando que o desejo do marido é momentâneo. Mas não é. A idéia começa a tomar forma na cabeça dele, enquanto ela continua nem querendo ouvir sobre o assunto. Em uma noite, sua maneira de falar deixa claro que ela realmente, completamente não quer ter filhos nunca muda algo em sua vida. Uma briga feia com o marido faz com que seu casamento acabe. Agora, Claudia precisa lidar com sua escolha, mesmo que isso custe o amor de sua vida. Será que ela vai mudar de idéia?

De várias formas, esse livro foi uma surpresa. Primeiro, porque já havia lido algumas resenhas, que não me chamaram nenhuma atenção. Segundo, porque como já disse, não sou chegada a romances desse tipo. Só precisei ler a sinopse com um pouco mais de atenção pra perceber que talvez ler esse livro não fosse uma má idéia, principalmente porque a protagonista fala de certas coisas nas quais eu também acredito ou também aprovo. Algumas partes são até engraçadas, porque fazem parte da realidade. Por exemplo, quando Ben e Claudia respondiam as perguntas de quando eles teriam filhos. As pessoas objetando convencê-los de que ter filhos é uma coisa boa, eles precisando aturar tudo, achei engraçado. Até porque me lembrou de certas coisas e pessoas e situações... Enfim. A linguagem não é formal, o que dá a narrativa um tom leve e bem, digamos objetivo, coisa que não espero encontrar em livros desse tipo. Gostei muito e recomendo.

De volta para casa (Karen White)


Título: De volta para casa
Autora: Karen White
Novo Conceito, 448p.

No meio da noite, Cassie recebe um telefonema e sabe que só pode ser notícia ruim. Sua irmã Harriet está lhe telefonando pra dizer que seu pai teve um ataque cardíaco e está morrendo. Ele quer as duas filhas com ele nesse momento, então Cassie se prepara para voltar a sua cidade natal. Logo chegando, ela dá de cara com uma das pessoas que não gostaria de voltar a ver de novo: Sam Parker. Foi ele quem entregou para ela um bilhete que confirmava a fuga de sua irmã com Joe quando eles estavam na faculdade, enquanto ela o esperava para o baile de outono, usando o anel de compromisso que Joe havia lhe dado. Seu carro acaba apresentado problemas, então Sam oferece uma carona. Ao chegar na casa de seu pai, o encontro com Harriet é no mínimo estranho, as perguntas são normais mas sem aquele toque de curiosidade e calor que deveria existir entre irmãs que não se vêem há mais de 15 anos. O que Cassie não sabe é da culpa que assola Harriet toda vez que ela ver a irmã, pois se sente responsável por ter afastado o pai da filha favorita. Seu pai tinha dois grandes desejos: um, era que as irmãs se acertassem novamente; outro, era que Cassie voltasse para Walton. Então, ele faz a única coisa que achava que possibilitaria isso: deixou de herança para ela sua casa e todos os seus pertences. Mas Cassie tem um noivo, que ficou em Nova York. Agora, ela precisa decidir se continua com sua vida antiga, ou se fica em Walton, além de precisar lidar com sentimentos guardados há muito tempo...

De novo, mais um livro que eu não estava preparada para que fosse gostar de ler. Eu não fazia idéia de que a história me prenderia, mas quando percebi, estava lendo avidamente pra descobrir mais sobre a história de Harriet, Sam e Cassie. Confesso que não sou chegada nesse tipo de leitura, com muito drama, mas esse livro foi agradável, apesar de triste (meu estômago embrulhava com cada parte triste). Nenhuma surpresa no final, a história terminou como eu esperava. Com as pitadas certas de drama e romance, apreciei bastante a leitura. Super indico.

11 de nov de 2013

Jardim de inverno (Kristin Hannah)



Título: Jardim de Inverno
Autora: Kristin Hannah
Editora Novo Conceito, 416p.

Meredith e Nina nunca se deram bem com a mãe. Desde pequenas, perceberam que a mãe não as suportava, no entanto, é apaixonada pelo marido. Já adultas, Meredith é casada, tem duas filhas e cuida dos negócios que envolvem as plantações da família, enquanto Nina se formou em Jornalismo e, com uma câmera debaixo do braço, viaja pelo mundo procurando “a foto”. Ela tem um companheiro, Danny, e eles trabalham juntos, viajando para lugares inóspitos. Um inesperado telegrama faz com que Nina e Meredith se reúnam novamente: seu pai teve um ataque cardíaco e não está nada bem. Agora, elas precisam se unir para proporcionar aos últimos momentos de vida de seu pai um pouco de tranqüilidade. Ele teme que a distância e o desapego que existe entre mãe e filhas possam crescer com sua morte, apesar de Meredith e Nina garantirem que irão tomar conta da mãe. Agora, elas só têm uma a outra, o elo que as unia não existe mais, e assim, as irmãs tentam de todas as formas cumprir a promessa feita ao pai. Mas antes precisam aprender a lidar com sentimentos guardados lá no fundo de seus corações, ao mesmo tempo em que redescobrem o valor de uma história contada pela sua sempre fria e serena mãe.

Uma família quebrada, que precisa de conserto. Foi a primeira frase que me veio a cabeça enquanto lia esse livro. È uma história de amarguras, mágoas, recomeço, mas acima de tudo é uma história de família e de perdão. Não nego, lagrimei e chorei em algumas partes, e na cena de falecimento, parecia que eu estava perdendo o chão, a mesma sensação experimentada por Meredith quando percebe que o pai está morto. Simplesmente, não dá para não sentir que faz parte da história, não dá para fingir que não se sente quase sem ar também, tão intensa é a cena. Aliás, a história toda. Li o livro em uma tarde. Sinceramente, pensei que demoraria mais pra ler, mas acabei ficando tão envolvida que nem vi que já tinha chegado ao fim. Gostei por que a história, longe de me atrair de primeira, conseguiu me prender até o final. Recomendo.

Brilhos (Sophia Bennet) – Fuxicando sobre Chick-lits



Tema: Capa que chamou a atenção
Mês: Novembro
Livro: Brilhos
Autora: Sophia Bennet
Ed. Intrínseca, 288p.

Crow agora é uma estilista famosa. Sua coleção criada para a Miss Teen é o maior sucesso, e Andy Elat espera repetir o mesmo sucesso com a nova criação da menina. O problema todo começa quando os desenhos não agradam ninguém. Crow é uma estilista peculiar (como todos os outros) e tem seus momentos de criatividade e de criação. Mas isso não parece satisfazer os empresários. Ao mesmo tempo em que Nonie, Edie e Jenny lidam com esse problema, as meninas ainda tem que lidar com a escola, com problemas pessoais e com uma bomba: surgiram rumores de que a coleção de Crow foi feita por crianças escravas na Índia. Essa confusão coloca um balde de gelo na relação entre as meninas e Amanda Elat. Eddie, então, se empenhar em descobrir a verdade, enquanto Jenny está mais empolgada com a peça que irá protagonizar e Nonnie se desdobra entre entender o que irão fazer no que diz respeito a coleção e um cara muito gato que se interessou por ela. Em uma viagem pra Índia, elas vêem que as fábricas de Andy usam mão de obra adequada, e sem querer, também descobrem o mistério do trabalho escravo infantil. Agora, elas precisam correr contra o tempo pra montar uma nova coleção e para ajudar as crianças que encontraram na viagem.

O livro é muito legal. A autora continua com sucesso a história que começou com Linhas, e Brilhos acaba sendo bem mais divertido. A confusão em que elas se metem quando Eddie praticamente apoia as denúncias contra o trabalho escravo, a indecisão de Nonie quando ela percebe que o cara gato não parece tão perfeito assim, a ansiedade de Jenny com a nova peça e com o fato de que irá contracenar com a namorada de sua ex-paixonite, é tudo descrito de uma forma tão leve que faz você desejar que o livro seja maior, só para você nunca parar de ler. Ansiosa pela continuação. Super indicado

4 de nov de 2013

Jessica rules the dark side (Beth Fantaskey)



Título: Jessica rules the dark side
Autora: Beth Fantaskey
Editora Harcourt Children’s Books, 320p.

Jessica, ou melhor, Antanasia e Lucius estão casados há pouco tempo e a princesa precisa aprender a lidar com seu novo status. Lucius está sempre ao seu lado, mas ela não tem certeza de poder cumprir seu papel do jeito correto. Ainda mais porque ela vive aterrorizada por Claudius e Flavius, dois anciões perigosos. Quando Claudius praticamente ameaça Antanasia, Lucius fica furioso. Mas o ancião aparece morto, e a culpa recai sobre Lucius. Agora Antanasia depende da ajuda de Mindy, Ranieri, Dorius e de sua prima para provar que seu marido é inocente. Enquanto Ranieri a treina, Mindy começa a por em prática seu plano para descobrir mais sobre as verdadeiras intenções da prima de Antanasia.

Eu estava louca para ler esse livro desde que soube que haveria uma continuação para a história de Lucius e Jessica. Não me decepcionei nem um pouco. A autora consegue manter o mesmo tom narrativo que usou no primeiro livro. Eu fiquei meio louca para saber quem era o verdadeiro culpado do crime, pensei em várias opções (até mesmo no verdadeiro culpado), mas como sempre descarto o improvável e no final da história acabo me surpreendendo. Gostei mais ainda porque fala um pouco mais do que rolou entre Mindy e Ranieri, uma coisa que ficou meio que “no ar” nos capítulos sobre o casamento de Lucius e Jessica. Gostei muito.

As vantagens de ser invisível (Stephen Chbosky) - DL 2013


Tema: Livros proibidos
Mês: Novembro
Título: As vantagens de ser invisível
Autor: Stephen Chbosky
Ed. Rocco Jovens Leitores, 223p.

Charlie é um adolescente diferente dos outros. Quieto e solitário, não tem amigos e nem vive grandes emoções. Ele escreve cartas para um amigo anônimo, contando sua vida, narrando tudo o que acontece com muitos detalhes. Charlie é bastante observador e sempre foi incompreendido e sensível. Ele é mais um expectador da vida do que ator nela, até conhecer Bill, Sam e Patrick. Bill e seu professor, que o apresenta a vários livros e histórias excelentes, Sam e Patrick são irmãos e se tornam amigos de Charlie, levando para festas e fazendo-o ter novas experiências. A partir daí, Charlie começa a experimentar mais e viver mais. Durante um ano, ele relata suas experiências nas cartas que escreve para esse amigo anônimo, suas relações familiares, seus romances. Tudo com um olhar de quem analisa os detalhes de cada situação.

Esse livro é diferente de tudo que eu li, apesar de ser uma história relativamente simples. As emoções de Charlie são a flor da pele, e quando ele escreve as cartas, ele realmente coloca tudo no papel, o que faz o leitor experimentar o mesmo que ele, com a mesma intensidade. Não é difícil se identificar, na verdade, porque todos os personagens têm características diferentes. Não nego, fui procurar o livro depois que ouvi muitos falando do filme, e não me arrependo. Recomendo a história.

25 de out de 2013

Até eu te encontrar (Graciela Mayrink)


Título: Até eu te encontrar
Autora: Graciela Mayrink
Editora Novo Conceito, 382p.

Flávia é órfã de pais desde os cinco anos. Criada pelos tios e sem saber muito sobre a vida da mãe, acabou de se mudar para Viçosa, para cursar Agronomia na UFV. No primeiro dia, acaba conhecendo Felipe, um cara super gente boa que a ajuda a escapar do trote dos calouros. Ela também conhece outras pessoas, dentre elas Gustavo e Sônia. Esta é dona da única loja de produtos esotéricos da cidade e sabe muito mais do que aparenta mostrar... Em um jantar que oferece para uma amiga e sua família, Sônia convida Flávia, que aceita. Lá, ela conhece Lauren, filha do casal convidado, e se torna amiga da jovem, sem saber que a mãe dela foi uma grande amiga de sua própria mãe. A amizade com Lauren se estreita, e ela percebe que a menina já conhecia seus mais recentes amigos: Felipe, Mauro, Luigi e a insuportável namorada deste, Carla. Aliás, a mesma mostra logo de cara que não gosta de Flávia. Nenhum dos amigos de Luigi gosta dela, enquanto Flávia, sem nem saber por quê, começa a antipatizar com Luigi. Quando eles finalmente se conhecem, a antipatia de Carla por Flávia aumenta, a antipatia de Flávia por Luigi aumenta, mas Luigi começa a se sentir estranho, principalmente quando ele vê a moça tão perto de Felipe, seu grande amigo... No meio de tudo isso, Flávia descobre muito mais do que gostaria sobre a história de sua mãe: ela fazia parte de um grupo de bruxas Wicca. Flávia, sua herdeira, também tem o mesmo poder. Mesmo sem acreditar muito nisso, ela aceita as orientações de Sônia, ao mesmo tempo em que seus sentimentos por Luigi começam a mudar. Será que ela acredita que encontrou sua alma gêmea?

Esse livro foi uma surpresa. Foi mais um que me ensinou a não ser “preconceituosa” com os novos talentos da literatura nacional. A nova capa ajudou, porque eu escolhi e depois que vi o título, aí percebi que já conhecia o livro por indicação de outras pessoas. Graciela conseguiu falar da magia Wicca de uma forma bem diferente a que estou acostumada a ler, sem focar muito na questão da Deusa, e sim mostrando seus ensinamentos (se você já fez uma simpatia para o bem, então conhece um pouquinho do assunto rs). Gostei muito, principalmente porque a narrativa não é enrolada, a autora foi a segunda que li que não se perde em muitas descrições nem em longas temporalidades, ela vai logo direto ao ponto chave da história. Não sou muito chegada em livros que comecem a falar de alma gêmea e essas coisas, mas a autora conseguiu não ser melodramática ao abordar o assunto. Gostei muito, qualquer hora dessas releio. Super indicado.

Linhas (Sophia Bennet) – Fuxicando sobre Chick-lits



Tema: Livre
Mês: Outubro
Livro: Linhas
Autora: Sophia Bennet
Ed. Intrínseca, 288p.

Nonnie, Edie e Jenny são amigas que curtem coisas diferentes. Nonnie adora moda, e demonstra isso em seu estilo peculiar de se vestir. Jenny ganhou um papel num filme de Hollywood, e contracena com o ídolo das adolescentes do momento, mas não está nem um pouco segura de seu talento na frente da câmera. Edie é a estudiosa, que quer mudar todas as coisas erradas no mundo. Ela dá aulas de leitura para uma menina que tem problemas, uma garotinha que se veste de uma maneira um tanto incomum. Elas acabam se conhecendo e Nonnie descobre o grande potencial que a menina, Crow, tem para a moda. Seus desenhos são lindos, e ela sabe costurar e fazer roupas incríveis. Tentando ajudá-la, Nonnie e suas amigas descobrem mais sobre a triste história de vida de Crow e acabam se envolvendo com o glamuroso (e cansativo) mundo da moda.

Esse livro não foi nada do que esperei. A capa realmente me chamou a atenção, mas depois meio que me arrependi de comprar. Não esperava nada, a não ser uma história para rir, mero entretenimento, Me enganei terrivelmente. A história prende a atenção. Fiquei imaginando o tempo todo os figurinos que Crow bolava, mesmo sem entender nada de moda, fiquei babando nas roupas que ela criava. Além disso, a própria história de vida da menina faz você querer saber mais, e o final foi muito bom. Uma história muito boa, que serve para divertir e te deixa com muita vontade de correr pra ler a continuação. Super indico.

3 de out de 2013

Despertar (Amanda Hocking)


Título: Despertar
Autora: Amanda Hocking
Editora Planeta, 207 p.

Gemma é linda, jovem, namora Alex e pode realizar o sonho de se tornar nadadora olímpica. Ela adora nadar, se sente mais livre, mais leve, Gemma se sente em paz quando está nadando. Sua irmã, Harper, e seu pai não se sentem confortáveis toda vez que Gemma sai para dar seus mergulhos noturnos. Harper na verdade se sente como uma mãe para a irmã e tenta de todas as formas controlá-la. Ela está há pouco tempo de partir para a faculdade, e quando ela for, Gemma e seu pai ficarão sozinhos. Por isso ela evita ter um relacionamento amoroso, mas Daniel, um jovem que mora na lancha ancorada no estaleiro onde seu pai trabalha, vive tentando fazê-la sair com ele. No entanto, uma coisa ela e Daniel têm em comum: o fato de não gostar de três estrangeiras. Bonitas e sedutoras, com um toque de perigo na voz aveludada, Penn, Lexi e Thea apareceram na temporada de turismo e desde que botaram os olhos em Gemma, querem trazer a garota para seu grupo... Mas, apesar de não gostar de nenhuma delas, Gemma não consegue resistir quando, em um de seus mergulhos noturnos, uma voz melodiosa a chama para chegar mais perto... 

Esse livro me surpreendeu. Pensei que seria mais uma versão da história da sereia que se apaixona por um humano, mas não é nada disso. Nem ao menos se trata de sereias e sim sirenas, criaturas mitológicas mais perigosas. De forma geral, gostei. Pensei que seria uma história de sereias do mesmo tipo de Mermaid, mas é totalmente diferente, em um bom sentido. Mostra uma nova versão das sereias. Ansiosa agora pra ler o que acontece a aseguir. Indicado.

Sushi (Marian Keyes) - DL 2013


Tema: Histórias de superação
Mês: Outubro
Título: Sushi
Autora: Marian Keyes
Ed. Bertrand Brasil, 574p.

Lisa Edward é uma editora durona que foi escalada (ou deportada) para Dublin a fim de começar uma revista do zero. Ashling Kennedy é a assistente de Lisa neste novo projeto. Clodagh é a melhor amiga de Ashiling desde que ambas são pequenas, uma dona de casa cansada da monótona tranqüilidade de sua vida de casada e mãe de família. Ambas acham que falta algo em sua vida: Lisa gostaria de se tornar editora chefe de outra revista do grupo em Nova York, Ashling quer um namorado e Clodagh quer mudar sua vida perfeita. Os caminhos das três se cruzam e, apesar de tão diferentes na essência, elas buscam a mesma coisa: felicidade.

Mais um livro da Marian Keyes. Meio chato, devo dizer. Acho que por ter me acostumado com a “atividade” das personagens principais de Melancia e Férias, achei esse livro parado demais. Lisa é a mulher moderna, que vive para o trabalho (odiei o marido dela ficar se queixando que ela só trabalhava). Ashiling é super legal, uma jovem que só quer arranjar um namorado e conseguir um emprego legal. Clodagh é a dona de casa que está cansada de seu marido perfeito (de longe, foi a que mais me irritou). Não é meu livro favorito da autora, mas vale a leitura. De uma forma ou de outra, Marian consegue manter a atenção do leitor.

30 de set de 2013

Fazendo meu filme 2 (Paula Pimenta) – Fuxicando sobre Chick-lits



Tema: Brasileiro
Mês: Setembro
Livro: Fazendo meu filme: Fani na terra da rainha
Autora: Paula Pimenta
Ed. Gutenberg, 325p.

Fani viajou. Agora ela está na Inglaterra, começando seu intercâmbio. Depois de uma viagem onde ela só conseguia pensar no Leo e na despedida deles no aeroporto, Fani encontra os Marshall, a família que iria hospedá-la. Todos a recebem muito bem e tudo começa a correr melhor do que o planejado. Mas Fani ainda sente muita saudade de casa, e acima de tudo de Leo. Ela faz muitos passeios e visitas para conhecer Brighton e mantém contato com seus amigos e família, menos com Leo... Ele começa a se preocupar com a falta de notícias, sem perceber que Fani estava se “afastando” para poder aproveitar a viagem melhor, já que se ela ficasse lembrando-se dele o tempo todo, não aproveitaria nada. Até que uma ligação dele termina tudo (que ninguém sabia se havia começado ou não) entre eles. No desespero, ela pede para os pais para voltar para casa antes do fim do intercâmbio. Em um acordo que ela faz com o pai, Fani concorda em esperar mais um pouco. Até o momento em que recebe uma carta de Leo terminando tudo mesmo. A partir daí, Fani começa a se interessar mais em viver sua viagem. Conhece pessoas novas, faz novos amigos e até mesmo começa a sair com outro menino. Mas será que ela esqueceu Leo de vez?

Esse livro consegue ser melhor que o primeiro. Confesso que no início me deu uma canseira a Fani ficar na choradeira o tempo todo. Principalmente quando ela quis voltar para o Brasil por causa do Leo. Mas aí me lembrei que já tive a idade dela (nossa, falei como se tivesse 50 anos agora) e que já tive os mesmos sentimentos conflitantes. Uma coisa que eu amei nesse livro foram os emails trocados, como ela ficava sabendo das notícias do Brasil por eles, as conversas com as amigas pela internet, me fez ter dezessete anos de novo :) Me diverti bastante com os relatos dos acontecimentos (o rolo entre Alberto e Natália, a indignação da mãe dele...) E tive uma vontade imensa de fazer intercâmbio só para experimentar o mesmo que Fani. Uma continuação deliciosa de ler. Super recomendada.

20 de set de 2013

O dia em que te esqueci (Margarida Rebelo Pinto) - DL 2013


Tema: Autores portugueses contemporâneos
Mês: Setembro
Título: O dia em que te esqueci
Autora: Margarida Rebelo Pinto
Editora Oficina do Livro, 183p.

Margarida Rebelo Pinto narra sua vida após conhecer um homem pelo qual se apaixonou e sofreu. Ela descreve os momentos marcantes dessa relação: separações, aproximações, os sentimentos que permeavam sua vida neste momento. Ela também fala sobre o que as pessoas fazem quando procuram um novo amor para esquecer o antigo. Este livro mostra as reflexões da autora sobre esse sentimento, sobre as fases pelas quais todos passam ao experimentá-lo. Vale muito a pena ler. Eu não a conhecia, descobri por causa do desafio. Indico a todos que quiserem experimentar uma leitura reflexiva.

Hunger games (Lois H. Gresh)


Título: Hunger games: a filosofia por trás dos Jogos Vorazes
Autora: Lois H. Gresh
Editora Leya, 199p

As fontes de inspiração para a criação dos lugares, personagens, fatos e situações retratados por Suzanne Collins em seus livros da série Jogos Vorazes. Cada capítulo aborda um aspecto da história de Collins: desde a questão de regimes opressores até os reality shows, passando por aspectos sociais inerentes, como a fome, a pobreza, a riqueza, a divisão de recursos para a sobrevivência, tudo isso temas bastante reais. O livro inicia falando sobre o fim do mundo, o apocalipse, tema que não podia ser mais atual. A autora aborda cada tópico fazendo relações com acontecimentos históricos mundiais.
Um livro muito legal, que me fez refletir de certa forma. Bastante informativo, com uma linguagem acessível. Indicado a todos os fãs da trilogia Jogos Vorazes.

A viagem do tigre (Colleen Houck)


Título: A viagem do tigre
Autora: Colleen Houck
Arqueiro, 494p.

Kelsey nunca se sentiu tão péssima. Eles conseguiram resgatar Ren, mas a um alto preço: ele não lembra dela. De todas as situações que eles viveram, ele lembra que passou por aquilo, mas não lembra de sua presença. Seu toque causa dor a ele. Kisham, Sr. Kadam, Nilima, todos tentam ajudar, tentam fazer Ren lembrar, mas isso começa a irritá-lo. E Kelsey se entristece cada vez mais. Mesmo assim, eles continuam correndo para decifrar a profecia e quebrar a maldição. Kisham se torna uma companhia constante para ela, ao mesmo tempo em que Ren tenta não evitá-la. O relacionamento dos dois progride a um ponto, ao mesmo tempo em que eles descobrem o próximo passo. Assim, os três embarcam em uma viagem louca atrás do colar da deusa Durga. Lokesh está cada vez mais perto, os perigos são maiores, e fazem com que Kelsey tenha que decidir de uma vez por todas a quem realmente pertence seu coração.

Mais um livro de tirar o fôlego. Quando o leitor pensa que já viu de tudo, aparece uma nova situação, existe um novo perigo para ser enfrentado. Particularmente, adorei esse livro por causa dos dragões (o tempo todo fiquei imaginando cada um deles, adoro dragões). Os tigres estão cada vez mais ansiosos e, de uma forma, mais ferozes. Adorei cada pedaço da aventura, e de novo, o final não foi o que eu previ. Continuo impressionada com a forma que Colleen Houck consegue falar de mitologia e história, intercalando ambas com o enredo em si do livro. Ansiosa pelo quarto livro.

13 de ago de 2013

Um Best seller pra chamar de meu (Marian Keyes) - Fuxicando sobre Chick-lits


Tema: Livro com 400 páginas ou mais
Mês: Agosto
Livro: Um bestseller pra chamar de meu
Autora: Marian Keyes
Ed. Bertrand Brasil, 742p.

Gemma, Jojo e Lily são três mulheres diferentes, cujas vidas são interligadas. Gemma trabalha como organizadora de eventos e cuida da mãe que foi abandonada pelo marido. Jojo é uma agente literária que se envolve com um de seus chefes (que é casado). Futuramente, ela se torna agente de Lly, uma autora de relativo sucesso, casada com o sempre otimista Anton (ex-namorado de Gemma) e mãe de Ema. Gemma se corresponde por email uma amiga, e esses emails acabam chamando a atenção de Jojo. A confusão começa quando Lily pensa que Gemma, sua ex-melhor amiga que a considera uma traidora por ter “roubado” o amor de sua vida, irá começar a trabalhar com a sua agente. 

Esse livro, como os outros que já li da Marian Keyes, é muito divertido. Os personagens são bastante verossímeis. Além disso, a autora acertou em cheio quando resolveu mostrar os bastidores do mundo literário. Muitos elementos presentes em seus outros livros também podem ser encontrados nesta história. Super indicado.

Moby Dick (Herman Melville) – DL 2013


Tema: Vingança
Mês: Agosto
Título: Moby Dick
Autor: Herman Melville
Ed. Martin Claret, 583p.

Na cidade de New Bedford, em Massachusetts, o marinheiro Ismael conhece o arpoador Queequeg e, juntos, partem para a ilha de Nantucket em busca de trabalho no mercado de caça às baleias. Lá, eles embarcaram no baleeiro Pequod para uma viagem de três anos aos mares do sul. Entre eles, tripulantes de diversas nacionalidades: os imediatos Starbuck, Stubb e Flask; os arpoadores Tashtego e Daggoo, além de Ahab, o sombrio capitão que ostenta uma enorme cicatriz do rosto ao pescoço e uma perna artificial, feita do osso de cachalote. Obcecado por encontrar a fera responsável por seus ferimentos e que nenhum arpoador jamais conseguiu abater - a temível "Moby Dick" -, o capitão Ahab conduz o baleeiro e toda a sua tripulação por uma rota de perigos e incertezas. (Sinopse: Skoob)

Uma história intensa do início ao fim. O autor é preciso quando narra o funcionamento da caça as baleias no início do século XIX. O fato de o livro ser muito descritivo no começo da história pode ser um fator que não conte muito a seu favor para quem detesta longas descrições, mas para o leitor atual é válido porque nos apresenta detalhes do mundo baleeiro. A obsessão de um homem por uma baleia que ele nunca conseguiu matar foi o que sempre me intimidou nessa história (eu vi o filme antes de ler o livro, e também já havia lido uma versão infantil), e, confesso, como alguém que é contra a caça a esses animais, meu lado ativista fala alto e eu fiquei muito feliz com o fato da baleia não ser pelo homem. Uma história visceral, que apresenta nos dois protagonistas (o animal e o homem) a simbologia entre o bem e o mal, vale muito a pena ser lido.

29 de jul de 2013

Caninos brancos (Jack London) - DL 2013



Tema: Cor no título
Mês: Julho
Título: Caninos brancos
Autor: Jack London
Ed. Martin Claret, 196p.

Parte lobo, parte cão, Caninos Brancos é vendido por seu dono índio ao perverso Beleza Smith. Sofrendo mil tormentos, o animal aprende que para sobreviver é preciso adaptar-se sempre e sempre. Nesta aventura clássica, Jack London mais uma vez traça um empolgante paralelo entre bicho e homem, natureza e civilização. (Sinopse: Skoob)

Esse livro é diferente do que eu esperava, de várias maneiras. Jack London faz mais do que traçar um paralelo entre homem e animal, sua história é uma descrição visceral do homem e do animal enfrentando-se na natureza, cada um seguindo o instinto de sua própria espécie, sem considerar o outro. Confesso que em algumas partes fiquei chocada e tive vontade de chorar (parecia que eu estava assistindo um daqueles documentários sobre animais selvagens, que sempre me fazem cair no choro). Um clássico, realmente, que merece várias leituras.

18 de jul de 2013

Cabeça de vento (Meg Cabot) – Fuxicando sobre Chick-lits


Tema: Personagem na sinopse e com o nome começando com a inicial do leitor
Mês: Julho
Livro: Cabeça de vento
Autora: Meg Cabot
Ed. Galera Record, 320p.

Emerson Watts não é uma das adolescentes populares de sua escola. Pelo contrário, ela é uma daquelas nerds que vivem sendo atacadas pelas populares. Em não se importa com maquiagem ou roupas da moda e esse tipo de coisa. Não é só o fato de se vestir como menino, mas seu nome também ser de homem graças a seu (louco) pai. Seu melhor amigo, Christopher, não faz idéia da paixãozinha que Em nutre por ele. Ambos levam, Frida, irmã de Em e seu oposto total (Frida adora se vestir bem), a inauguração da loja de departamentos Stark, a qual tem como garota propaganda Nikki Howard, a modelo adolescente mais famosa dos EUA na atualidade. Um acidente no dia da inauguração, e dias depois Em acorda no hospital se sentindo meio estranha. Tudo se explica quando ela se olha no espelho e vê que se transformou em Nikki. Seu rosto é o da modelo, seu corpo é o da modelo. O que acontece em seguir? Confusões mil, já que todos confundem a garota com a super modelo, Mas além de tudo isso, muitas revelações sobre a vida de ambas as meninas são feitas.

Esse livro é, no mínimo, diferente do que eu esperava. Pela sinopse e pela capa, não entendi de cara do que se tratava a história. Só depois do acidente comecei entender; Sou muito fã de Meg Cabot, mas devo dizer que esse livro foi meio que decepcionante. Talvez por causa do fato de não ter conseguido relacionar capa e título logo de primeira, não dava nada para a história. E mesmo que essa relação tenha sido logo mostrada sem demora, até porque o livro é curto, não gostei. Esperava algo mais, não sei. Meg não enrola no enredo, acho que meu problema foi com o tema. Enfim. Indico, porque é Meg Cabot e por causa da crítica ao padrão de beleza atual, mas provavelmente não terminarei de ler a série. Ou se resolver pegar Sendo Nikki para ler, talvez demore bastante tempo pra fazer isso.

17 de jul de 2013

Free Four (Veronica Roth)


Título: Free Four: Tobias narra a história
Autora: Veronica Roth
Editora Rocco, 12p.

O que será que passou pela cabeça do Quatro no capítulo 13, quando ele arremessa as facas contra Tris? Nesse pequeno livrinho disponibilizado pela Rocco, conseguimos perceber o que ele já sentia por ela. Confesso que lendo isso em Divergente, fiquei meio com raiva dele, mas esse livrinho me ajudou a entender um pouquinho mais sua mente. E claro fez eu gostar dele mais ainda.

ATUALIZADO: Depois do lançamento do ebook chamado Free Four: Tobias narra a história, que narra os acontecimentos do capítulo 13 de Divergente, de Veronica Roth, o famoso capítulo do desafio das facas, do ponto de vista de Quatro. Distribuído pela própria autora, a editora Rocco postou a tradução gratuita do ebook na internet.
Também foi divulgado que Free Four seria a primeira de cinco histórias curtas que seriam liberadas em formato ebook para os fãs da série. As outras histórias serão lançadas entre 3 de setembro de 2013 e 11 de fevereiro de 2014. Também foi confirmada que uma edição impressa dessas pequenas histórias seriam publicadas a partir de 11 de fevereiro de 2014.


Pois bem. Um fato excelente sobre essas histórias é que todas elas seriam narradas a partir do ponto de vista do adorado personagem Quatro. A segunda história, chamada The Transfer (O Transferido), teve a capa divulgada essa semana. Ainda estão previstas serem lançadas The Initiate (O Iniciado, 17 de dezembro), The Son (O Filho, 21 de janeiro) e The Traitor (O Traidor, 11 de fevereiro).
Veronica Roth disse que essas histórias curtas irão falar do passado de Tobias e sobre algumas coisas misteriosas que aconteceram antes de Tris escolher a Audácia. Serão histórias centradas no Tobias, mas com alguma sobreposição.

O resgate do tigre (Colleen Houck)


Título: O resgate do tigre
Autora: Colleen Houck
Arqueiro, 430p.

Kelsey deixou Ren, certa de que ele logo iria esquecê-la. De volta ao Oregon, ela acaba descobrindo já estar matriculada na faculdade, ser dona de uma casa e de um carro e ter uma bela conta no banco. Supostamente, é seu pagamento por ajudar a quebrar a maldição de Ren e Kishan. Ela tenta levar uma vida normal, mas a lembrança de Ren a deprime constantemente. Ela tenta se relacionar com outros caras, e depois de alguns encontros desastrosos, ela encontra em Li, colega das aulas de artes marcais, um bom companheiro. Até Ren aparecer em sua porta. Achando que ele ficaria magoado, ele a estimula a sair com outros caras para ter certeza do que realmente sente. Mas eles não conseguem ficar separados por mais tempo, e voltam a namorar. Mas o medo de Lokesh é grande, então Kishan chega para ajudar. Só que o feiticeiro não está tão longe e acaba capturando Ren. Kishan e Kelsey tem que voltar para a Índia, descobrem mais sobre a profecia e embarcam em uma nova aventura para resgatar Ren e quebrar a maldição. Nesse tempo, Kishan não força nada, mas faz questão de mostrar que a ama. Dentre novos perigos, visões e lugares fantásticos, Kelsey descobre que o resgate de Ren se provará mais difícil do que nunca.

Como o primeiro, esse livro é de tirar o fôlego. Muita aventura, ação, muita mitologia e história, muito romance... Tá bom, essa parte me irritou com a frescura de Kelsey, principalmente quando ela se referia o tempo todo a Ren como “arcanjo guerreiro”. Sério, ela era tão babaca às vezes que eu tinha vontade de socá-la. O final do livro realmente se revelou uma surpresa, mas acho que já estava subentendido na visão que ela tem de Ren prisioneiro. Uma continuação excelente, que deixa um gosto de quero mais.

28 de jun de 2013

Divulgadas capas das edições comemorativas de Harry Potter


Acaba de ser lançada a arte da capa infantil de Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban para as edições comemorativas de 15 anos da série, que serão lançadas pela editora norte-americana Scholastic. As capas dos dois primeiros livros já foram divulgadas faz um tempo. Lindas, não são? 


Também nessa semana a editora britânica Bloomsbury divulgou as capas dos três primeiros livros das novas edições adultas da série, que estarão disponíveis a partir de 18 de julho de 2013. O quarto e quinto livros serão lançados em 15 de agosto e os dois últimos, dia 26 de outubro de 2013. 

Muita vontade de comprar todas :)

ATUALIZADO: Sairam as imagens das capas de Cálice de Fogo, Ordem da Fênix, Príncipe mestiço e As Relíquias da morte, publicados pela Scholastic.



18 de jun de 2013

Lembra de mim? (Sophie Kinsella) – Fuxicando sobre Chick-lits


Tema: Casal, coração, referência ao amor e ao estar apaixonado
Mês: Junho
Livro: Lembra de mim?
Autora: Sophie Kinsella
Ed. Record, 399p.

Lexi acorda em um hospital após sofrer um acidente que a deixa desacordada por três anos. Ela acha que ainda está em 2004, mas na verdade já é 2007. As surpresas não têm fim: Lexi descobre que está casada com um milionário, que tem um trabalho que paga muito bem e que tem uma aparência maravilhosa. Mas tudo tem um preço, e Lexi descobre quanto vale essa sua vida aparentemente maravilhosa. Ela não reconhece nada nessa sua nova vida, e quanto mais tenta lembrar de seu passado, mais as pessoas querem mantê-lo bem esquecido.

Mais um livro divertido da Sophie Kinsella. Não canso de me admirar em quanta confusão suas protagonistas são capazes de se meter para solucionar seus problemas. O leitor rola de rir ao mesmo tempo em que se irrita também. Suas protagonistas se enrolam tanto que as vezes dá vontade de esganá-las. Vale muito a pena ler. Recomendado.

Morro dos ventos uivantes (Emily Brontë) - DL 2013


Tema: Romance psicológico
Mês: Junho
Título: O morro dos ventos uivantes
Autora: Emily Brontë
Ed. Landmark, 304p.

O Sr. Earnshaw tem dois filhos, Hindley e Catherine e sua propriedade e chama-se dos Morro dos Ventos Uivantes. Ao chegar em casa de uma longa viagem, ele traz Heathcliff, um menino que adotou. Hindley o odeia, mas Catherine desenvolve uma amizade pelo menino. Os dois se tornam grandes amigos, mas essa amizade se abala quando o Sr. Earnshaw morre e a propriedade passa para Hindley, que faz de tudo para colocar Heathcliff no seu devido lugar (de empregado). Mesmo assim, a amizade entre ele e Catherine continua. Quando a moça se fere na propriedade vizinha, os Linton, seus proprietários, resolvem abrigá-la como maneira de pedir desculpa. E quando ela volta para casa, está totalmente diferente: educada e refinada. A partir desse momento, ela passa a conviver mais com os filhos dos Linton, Edgar e Isabella. Com o passar do tempo, a possibilidade de um noivado entre Catherine e Edgar cresce e todos vêem o compromisso com bons olhos, mas a jovem tem dúvidas. Ela gosta de Edgar, pois ele tem nome e berço, mas seu coração pertence ao pobre Heathcliff. O jovem entreouve o desabafo da moça com a governanta da casa, a interpreta mal e foge. Ele volta anos depois, decidido a se vingar de todos que o humilharam.

Um dos clássicos da literatura que não me encheu os olhos. Eu sabia mais ou menos da história antes de pegar o livro, então não achei que fosse ficar tão surpresa com a história. Pior que fiquei sim, do modo negativo. O engraçado é que eu geralmente gosto deste tipo de história... E também nunca achei que fosse odiar tanto um casal de apaixonados (depois de Romeu e Julieta) como odiei Catherine e Heathcliff. A egoísta e o louco... O engraçado é que minha mãe adora essa história, e mesmo depois dela me explicar trocentas vezes, eu não consigo simpatizar de jeito maneira com nenhum dos dois. Ok, talvez eu simpatize um pouquinho com ele, mas simplesmente odeio Catherine. Fútil e egoísta. E como eu tentei... Enfim. Li só por causa do desafio. E só indico por ser clássico.

13 de jun de 2013

Branca de Neve e o caçador (Lily Blake)


Título: Branca de Neve e o caçador
Autora: Lily blake
Editora Novo Conceito, 208p.

O rei está completamente arrasado com a morte de sua rainha. Quando seu exército derrota um inimigo sombrio, ele descobre uma bela mulher prisioneira. Pela primeira vez desde a morte de sua esposa, o rei se sente feliz novamente. Encantado pela beleza da estranha, ele resolve se casar com ela. O reino se torna festivo novamente, e Branca de Neve recebe de braços abertos a nova esposa de seu pai. Na noite de núpcias, no entanto, Ravenna revela sua verdadeira face: ela mata o rei e faz com que seus soldados, comandados por seu irmão, invadam o reino. Dentre tantas mortes, ela resolve poupar Branca de Neve, mantendo a prisioneira. Por dez anos, a princesa vive em uma masmorra, observando sem poder fazer nada no que o reino de seu pai se tornou. Um dia, ela consegue fugir. A rainha, enlouquecida, pois ela quer a beleza de Branca de Neve para se tornar para sempre a mais bela, manda o caçador Eric encontrá-la na Floresta Sombria. Mas quando o caçador encontra a princesa, ele não cumpre o combinado, descobrindo que foi enganado pela rainha. Durante sua fuga, Branca de Neve se transforma, e resolve lutar por seu povo. Com a ajuda de Eric, dos anões e de seu antigo amigo de infância William, ela declara guerra a Ravenna.

Uma nova versão, totalmente diferente do que estamos acostumados. Se você pensa que irá encontrar aquela princesa da Disney que vive cantando e suspirando por seu príncipe salvador, pode esperar sentado. Nessa versão, cujo livro foi inspirado no filme homônimo, Branca de Neve assume o papel de guerreira, aquela que irá lutar contra a rainha má para recuperar o reino de seu pai. Aliás, quem realmente chama a atenção é justamente a rainha, Ravenna. No decorrer da história, o leitor é apresentado a sua vida e descobre seus traumas. É interessante perceber que ela não era má, mas se tornou vingativa por situações que viveu no passado. O caçador também foi uma surpresa (muito boa, aliás), e o príncipe encantado, na verdade, se torna mero seguidor. A líder é Branca de Neve. Livro muito recomendado.

A última nota (Felipe Colbert e Lu Piras)


Título: A última nota
Autores: Felipe Colbert e Lu Piras
Editora Novo Século, 260p.

“Sebastian é o mistério em pessoa. Ele só se lembra de acordar chamando pelo nome de uma garota que não sabe quem é. Para este desconhecido de fascinantes olhos azuis, tudo que vê é como se visse pela primeira vez. Exceto Alícia.”

Alícia Mastropoulos é a primeira violinista da orquestra de sua universidade. Em sua primeira apresentação, ela resolve tocar uma composição inédita de seu avô, um violinista talentoso de quem a moça puxou a paixão pela música e pelo instrumento. Mas ela erra a última nota. No dia seguinte, ela recebe uma ligação de que um jovem encontrado no coreto próximo ao local de sua apresentação chama pelo nome dela. Ele não tem memória, a única coisa que se lembra é do nome de Alícia. Sem entender nada, ela vai embora. Quando descobre que sua avó está hospedando o misterioso e belo rapaz, Alícia não sabe o que pensar. A convivência com ele, Sebastian, faz com que ela sinta um misto de emoções, as quais ela não sabe se realmente deseja sentir. Pois Alícia está noiva de Theo, um rapaz que pertence a uma das famílias gregas mais tradicionais de sua cidade. Como descendente de gregos, a jovem deve começar a querer assumir seu lugar nas tradições da família. O problema é que Alícia nunca quis isso para a vida dela, seu objetivo é sua música. Tentando não ir de encontro ao desejo dos pais, ela deixa que eles decidam seu futuro. Só que Sebastian e o mistério que o envolvem fazem com que ela resolva ser mais senhora de si mesma. Assim, ela acaba entendendo o mistério que cerca o romance de seus avós e tome as rédeas de sua própria vida.

Ok. Sem palavras e ao mesmo tempo eu tenho tanta coisa para falar desse livro... Vou tentar ser objetiva, como a história. Desde que eu soube do lançamento deste livro, fiquei com muita vontade de ler, por vários motivos: Lu Piras é parceira do blog, a capa é bonita, a sinopse chamou minha atenção e despertou minha curiosidade. Então, assim que pus minhas mãos nele, não consegui agüentar, li logo. Eu sabia que não demoraria tanto para ler, porque o livro é relativamente pequeno, mas não foi nem por isso que eu acabei tão rápido. Foi porque eu simplesmente não conseguir largá-lo! O mistério de Sebastian irritou Alícia e me deixou louca de curiosidade na mesma proporção. O romance é simplesmente perfeito. Sem pieguices, romântico e dramático na medida certa (o que é muito raro, mas a Lu e o Felipe conseguiram dosar isso direitinho), com uns toques divertidos (os momentos em que Alicia se irritava eram muito bons) e com uma playlist excelente (as músicas que Alicia escutava e tocava... que maravilha). Esse é o tipo de livro que desperta várias emoções no leitor, e a história é contada de uma forma tão objetiva que eu de repente me vi querendo mais detalhes. Claro, o mistério é resolvido, mas deixa um gosto de quero muuuuito mais. Uma leitura maravilhosa e tocante é como eu classifico A última nota. E recomendo para todos.

24 de mai de 2013

O mágico de Oz (L. Frank Baum) – DL 2013


Tema: Livros citados em filmes
Mês: Maio
Título: O mágico de Oz
Autor: L. Frank Baum
Ed. Leya, 189p.

Dorothy vive no Kansas com os tios e seu cachorrinho Totó. Quando um ciclone atinge a casa em que eles vivem, a menina não tem tempo de se esconder com a tia no alçapão e acaba sendo levada com casa e cachorro pelo vento forte. Ao acordar, ela descobre que foi parar na terra de Oz, lugar muito colorido, diferente do cinzento Kansas. Na aterrissagem da casa, acaba por matar uma das bruxas más do lugar. E Dorothy encontra uma da bruxa boa, que recomenda que a menina viaje até a Cidade das Esmeraldas para pedir a Oz que a faça e a Totó voltarem para casa. No caminho, ela acaba ajudando um Espantalho, um Homem de Lata e um Leão covarde, e assim os quatro e Totó partem em busca de Oz para que o grande mágico ajude cada um a conseguir seu desejo.

Eu nunca me interessei por essa história, em parte por causa do filme de 1939 estrelado por Judy Garland, que eu vi algumas vezes quando criança. Não sei por quê, mas sempre me pareceu uma história sem cabeça, apesar da minha mãe sempre ter tentado me convencer do contrário. Aí eu vi a edição da Leya, gostei da capa, mas mesmo assim não tive tanta vontade de comprar um. Até ver que era uma das minhas únicas opções para o desafio desse mês. Então fui atrás. Li e gostei. A história não tem nada de chata, era puro preconceito da minha parte. Mais um clássico na minha estante de lidos.

10 de mai de 2013

Casório?! (Marian Keyes) – Fuxicando sobre Chick-lits


Tema: Casamento
Mês: Maio
Livro: Casório?!
Autora: Marian Keyes
Ed. Bertrand Brasil, 644p.

Lucy Sullivan descobre em uma cartomante que em menos de dois anos ela estará subindo no altar. Só falta encontrar o noivo, já que ela não é comprometida. E também nunca acreditou em cartomantes e suas visões. Mas quando as coisas previstas a acontecer para suas amigas começam a se tornar realidade, ela começa a perceber que talvez as visões da cartomante não sejam tão falsas assim... Para realizar a visão a seu respeito, Lucy se envolve com nada menos que seis homens diferentes. Todos atendem seus pré requisitos, mas nenhum é confiável.

Não tenho muito a dizer sobre esse livro. Ele segue a fórmula com a qual os fãs de Keyes estão acostumados. O livro é hilário do início ao fim. Lucy é a típica personagem de chick-lit. Mas, diferente dos outros livros que já li até agora da Marian, a história propriamente dita não leva mais da metade do livro para acontecer. Gostei bastante da leitura deste. Recomendo.

Mermaid (Carolyn Turgeon)


Título: Mermaid: uma reviravolta no conto original
Autora: Carolyn Turgeon
Editora ID, 336p.

O dia estava sombrio e nublado quando a princesa viu as duas pessoas que iriam mudar sua vida para sempre. A primeira, uma criatura belíssima, com uma cauda de peixe esverdeada brilhante como prata ao luar. A segunda, um homem fraco e cansado, praticamente morto. Ela continua olhando, achando que aquela visão é fruto de sua imaginação, repleta das conversas sobre mitologia e folclore de seu tutor. Margrethe sente em sua mente um chamado para que vá ajudar o homem desacordado na praia. E ela vai. Mais tarde, no convento onde está escondida por segurança, descobre quem é na verdade o homem que ela e a sereia salvaram. E fica com ele na cabeça, assim como Liane, a sereia. Então, seu pai, o rei Erik aparece para levá-la do convento e se prepara para a guerra, utilizando como pretexto que o náufrago, na verdade príncipe Christopher do reino do Sul, tentou matar sua filha, princesa do reino do Norte. Margrethe bola um plano para por um fim a guerra aos reinos e o põe em prática, sem saber que Liane, agora uma humana, está com o príncipe. E agora? Qual das duas terá seu final feliz?

Não foi a primeira vez que eu li uma nova releitura ou adaptação de um conto de fadas. Confissões de uma irmã de Cinderela (Gregory Maguire) foi uma leitura difícil, A Fera (Alex Flinn) foi uma leitura ótima. Agora esse, que mostra uma nova visão do conto da Pequena Sereia é excelente. Amei a leitura. Desde o início, desde o resgate do príncipe. Principalmente quem conhece o conto original, não a versão açucarada da Disney, consegue identificar os pontos em que esta história difere do original. O final me surpreendeu, um pouco. Super recomendo.

Divergente (Veronica Roth)


Título: Divergente
Autora: Veronica Roth
Editora Rocco Jovens Leitores, 502p.

Em uma Chicago futurista, a sociedade se divide nas facções: Amizade, Audácia, Abnegação, Erudição e Franqueza. Chegou o dia em que Beatrice e seu irmão Caleb, da Abnegação (assim como seus pais), irão fazer o teste de aptidão para descobrir a qual facção eles deveram pertencer no futuro. Durante o teste, em que são simuladas situações que determinarão uma aptidão ou qualidade que se sobressai naquele individuo (qualidade ou aptidão essas que determinaram sua facção), os resultados de Beatrice são inconclusivos: ela apresenta resultados indicativos de que pode pertencer a Abnegação, a Audácia e a Erudição. O problema está no fato de que pessoas que apresentam esse tipo de resultado são chamadas Divergentes. Beatrice não tem idéia do que significa isso e por quê ela deve guardar segredo sobre seu teste. No dia da Cerimônia de Escolha, sua escolha é Audácia. Conformada e ao mesmo tempo relutante por ter que dar adeus a sua família, Beatrice, agora Tris, começa o treinamento que fará com que ela se torne definitivamente uma pessoa da Audácia. Os desafios são muitos, mas ela encontra amigos em Will e Cristina e algo que não esperava em Quatro... Durante o treinamento, Tris descobre que nem tudo é o que parece, e que a sociedade não é perfeita como imaginava. E que seu segredo pode matá-la. Ou ajudá-la a salvar aqueles que ela mais ama.

A moda agora é o gênero distópico. Depois da trilogia Jogos Vorazes, foi muito fácil me “adaptar” a leitura deste livro. A história consegue envolver o leitor. A mesma adrenalina que pulsa no sangue de Tris corre pelas veias de quem está lendo, porque o livro é quase pura ação. Mesmo existindo momentos tristes e suaves, é a tensão que predomina. Veronica Roth consegue com sucesso manter o leitor conectado a história, através do segredo de Tris (pois senti a mesma urgência em guardar o segredo dela). O fato de o livro ser narrado em primeira pessoa também é um ponto a favor, pois faz com que o leitor também sinta toda a tensão, o medo, alegria, revolta e tristeza de Tris. Uma distopia arrepiante e envolvente. Mal posso esperar por sua continuação.

29 de abr de 2013

A rainha da primavera (Karen Soarelle) - DL 2013


Tema: Uma ou mais das quatro estações no título
Mês: Abril – livro 3
Título: A rainha da primavera: pergaminhos perdidos de Myríade
Autora: Karen Soarelle
Ed. Cubo Mágico, 87p.

Flora estava cansada da tranqüilidade de seu povo. Um dia, o sossego dá lugar ao alarme quando dois estranhos aparecem para levá-la embora. De uma forma nada agradável, Flora descobre que na verdade ela é a princesa do reino de Hynneldor e somente sua magia é forte o suficiente para proteger o reino dos inimigos de Vulcannus. Cheia de perguntas sobre sua verdadeira origem, ela decide acompanhá-los. Nathair é o embaixador de Hynneldor e Dimitri é o príncipe de Datillion, reino aliado. Perigos, uma traição e finalmente Flora chega a Hynneldor, que está sob ataque de Vulcannus. Agora, ela deve provar que é a verdadeira princesa perdida.

Um livro muito curto para meu próprio bem. Se não fosse assim, não teria conseguido parar de ler. A história é tão envolvente que eu não percebi o tempo passar e, quando vi, o livro já tinha acabado. Gostei porque fala de mundos inventados. Muito curiosa agora sobre as Crônicas de Myríade. Espero ler logo. Livro recomendado.

Sonho de uma noite de verão (William Shakespeare) - DL 2013


Tema: Uma ou mais das quatro estações no título
Mês: Abril – livro 2
Título: Sonho de uma noite de
Autor: William Shakespeare
Ed. Martin Claret, 143p.

Hérmia e Helena grandes amigas, mas Demétrio, por quem Helena está apaixonada, ama Hérmia. Esta, por sua vez, ama Lisandro. Outro “fator” contra o romance de Hérmia e Lisandro é o pai dela, que não aprova. Ele queria que ela casasse com Demétrio. Lisandro quer viver o romance, então sugere que eles fujam, mas Hérnia acaba contando sobre sua fuga para Helena, que conta para Demétrio. Assim, os quatro jovens, de maneira tortuosa, acabam se encontrando na floresta, onde habitam seres encantados. Mas a hora é péssima, pois as fadas e os duendes estão em discórdia, e os jovens acabam sofrendo as conseqüências disso. O rei dos Duendes, vendo o amor não correspondido de Helena por Demétrio, manda seu servo usasse nele a essência do Amor-Perfeito, uma flor que tinha o poder de fazer a pessoa se apaixonar pela primeira criatura que visse. A confusão começa quando o servo coloca a essência nos olhos da pessoa errada...

Nunca fui fã de Shakespeare. Todas as resenhas de livros do autor que fiz até hoje foram para desafios literários, ou seja, leitura obrigatória. No entanto, sempre tive curiosidade sobre essa história. Nunca havia lido, então foi uma bela surpresa. Na verdade, a primeira vez que soube sobre essa história foi quando lia uma versão dela adaptada para um gibi do Tio Patinhas (Brigitte, apaixonada pelo pão-duro, estava cansada de tentar conquistá-lo. Até Maga Patológica aparecer no caminho dela para lhe entregar a flor poderosa, tudo em um plano para conseguir pegar a moeda número Um do pato milionário). Como tudo relacionado a Disney, eu adorei e procurei saber mais sobre a história. Então adorei o livro. Apesar de estar enjoada de livros com confusões sentimentais, esse estranho triângulo amoroso faz com que o leitor acabe torcendo para todo mundo ficar feliz (o que não é comum em situações como essa...) Recomendo.

Um verão inesquecível (Elizabeth Craft) - DL 2013


Tema: Uma ou mais das quatro estações no título
Mês: Abril – livro 1
Título: Um verão inesquecível
Autora: Elizabeth Craft
Ed. Ática, 136p.

Sarah e Josh se apaixonaram nas férias de verão, mas quando chega a hora de voltar para casa, ela tem consciência de que eles talvez não voltem a se ver. Suspirando pelo amor de sua vida e chateada por achar que terá que se mudar com a mãe para o Japão, ela descobre que na verdade irá morar com o pai na Flórida, onde Josh mora. Sua felicidade se transforma em uma confusão de sentimentos quando descobre que ele tem namorada. Mas isso não impede de fazer com que os dois retomem seu romance escondido, e ela acaba envolvendo seu novo amigo Tim nessa furada. Só que as coisas não são o que parecem.

Esse livro faz parte da coleção Primeiro Amor, conjunto de 10 livros com histórias juvenis. Tenho ele há um tempo, já estava mais na hora de ler. É uma história agradável, de narrativa é leve, eu me diverti lendo, mesmo que algumas vezes eu tenha tido vontade de bater em Sarah, com raiva de sua cegueira. Recomendo.

7 de abr de 2013

Os delírios de consumo de Becky Bloom (Sophie Kinsella) – Fuxicando sobre Chick-lits



Tema: Adaptação para o cinema
Mês: Abril
Livro: Os delírios de consumo de Becky Bloom
Autora: Sophie Kinsella
Ed. Record, 428p.

Rebecca Bloom, ou Becky, é jornalista especializada na área de finanças e uma consumista compulsiva assumida. Mesmo sendo jornalista financeira, ela não está nem aí para a forma como gasta seu dinheiro, só quer saber de comprar novas roupas e sapatos. Ela vive com sua melhor amiga Susi, que não percebe esse lado compulsivo da amiga. Quando seu chefe a manda assistir mais uma conferência financeira, no meio do caminho Becky dá de cara com mais uma promoção imperdível. O problema é que seu cartão Visa ficou no seu trabalho, então ela acaba pensando em pedir emprestado a uma amiga que vai estar na conferência. Esse pedido, no entanto, acaba sendo ouvido por todos, inclusive por Luke Brandon, um executivo bem sucedido, com QI alto e que sempre passa a impressão de saber a verdade sobre Becky (que ela não sabe nada de finanças, mesmo trabalhando na área). Ela o odeia, mas depois começa a desconfiar de tanto ódio... Como não podia deixar de ser, uma hora Becky se vê endividada, com todos os cartões de crédito cancelados e, pior, brigada com Susi. Assim, ela resolve voltar para a casa dos pais, só temporariamente. Lá, ela recebe uma chance de escrever um artigo para um jornal de circulação nacional e sair do buraco, só que o artigo será sobre algo que ela já provou que não entende: finanças. Será que ela conseguirá dar a volta por cima? E seus sentimentos por Luke são verdadeiros?

O primeiro livro que li de Sophie Kinsella. Agora entendo a quantidade de críticas boas que essa autora recebe de todos. Além de escrever de uma forma atrativa, a história é divertidíssima. Becky é muito louca, para dizer o mínimo. Seu vício em comprar, seu desespero em não perder uma liquidação que seja é completamente hilário. Mais engraçado ainda é seu estresse com Luke, já que ele sabe que ela não sabe bulhufas do próprio trabalho. Valeu muito a pena ler, não só para finalmente poder conhecer o estilo da Sophie, mas também porque a história vale a pena. Super indico.

A ascensão dos nove (Pittacus Lore)



Título: A ascensão dos nove
Autor: Pittacus Lore
Editora Intrínseca, 287p.

Finalmente, John e o número Nove conseguem escapar da fortaleza dos mogadorianos, mas John se sente constantemente culpado por ter deixado Sam para trás. Isso o impede de focar totalmente em se recuperar e se preparar para se reunir a Seis e aos outros da garde. Nove percebe e se irrita com a falta de concentração de John, o que leva os dois a constantes desentendimentos. Ao mesmo tempo, Seis parte com Marina, Ella e Crayton, cêpan desta última, em busca do número Oito, mas até o encontrarem passam por diversas situações difíceis. Voltando para John e Nove, depois de passarem por um aperto, eles retornam para o antigo apartamento de Nove para descansarem e treinarem. Lá, descobrem uma maneira de saber onde os outros estão e quem são os novos aliados dos mogs... Nesse interim, os agora quatro lorianos estão juntos e usam seus legados para se protegerem e buscarem Seis, que ficou perdida após o teletransporte ter dado errado. Prisioneira dos mogs e de seus aliados, ela resolve encarar o mog-mor, Setrákus Ra, enquanto os outros rumam para onde ela se encontra. Muita luta, descobertas, ação, mortes, tudo isso está no caminho desses jovens até que eles possam se reunir novamente.

Um livro eletrizante, do início ao fim. A ação não para nunca, independentemente de quem esteja narrando a história.Conhecemos mais sobre o número Oito e seus legados incríveis e somos finalmente apresentados ao chefe dos mogs. Esse livro é realmente para se ler na ponta da cadeira. Nove me irritou bastante, assim como John, mas Seis como a guerreira que é compensa totalmente. Ansiosa pelo próximo volume da série.

A origem do número Oito (Pittacus Lore)



Título: A origem do número Oito
Autor: Pittacus Lore
Editora Intrínseca, 9p.

Uma pequena história que narra a vida do número Oito na Índia. Sozinho, ele e seu cêpan, Reynolds, foram traídos por alguém muito próximo. Oito não foi capaz de salvar Reynolds nem da traição nem da morte, e a partir daí passou a viver sozinho. Até o momento em que um de seus legados se manifesta sem que ele perceba. Então, o legado se desenvolve e Oito começa a aprender a utilizá-lo. Um livro pequeno que nos apresenta mais um dos sobreviventes de Lórien e esclarece, um pouco sobre sua vida.

Os arquivos perdidos (Pittacus Lore)



Titulo: Os arquivos perdidos: os legados do número Nove
Autor: Pittacus Lore
Editora Intrínseca, 93p.

O número Nove e seu cêpan vivem em Chicago, mas ao invés de optarem por um estilo de vida mais discreto, eles vivem no maior conforto, em um apartamento moderno com todas as comodidades possíveis. Lá, eles treinam, enquanto os legados de Nove se manifestam e desenvolvem. Como todo garoto, ele se interessa por garotas humanas e pensa em como seria viver uma vida normal. Seu cêpan até o aconselha a se “enturmar”, já que ele próprio se envolveu com humanas. Nove, tentando disfarçar sua força e seus legados já desenvolvidos, tenta parecer um garoto normal. Ao sair para um encontro com uma garota, os mogs aparecem e quase levam a melhor. Seu cêpan, então, resolve mudar a rotina. E eles embarcam em mais uma fuga. Mais um livro complementar da série sobre os sobreviventes de Lórien.

24 de mar de 2013

C.S. Lewis references


O único guia bibliográfico que eu não havia mencionado aqui no blog. Agora aqui está ele, pronto e finalizado. Para fazer download, só clicando na imagem.

J.K. Rowling references


A versão final do meu guia bibliográfico sobre J.K. Rowling sua obra. Eu já havia postado uma prévia aqui, no entanto, essa é a última versão, melhorada e atualizada. Para fazer download, só clicando na imagem.

Os príncipes encantados de Libby Manson (Jane Green)– Fuxicando sobre Chick-lits


Tema: Mulher independente
Mês: Março
Livro: Os príncipes encantados de Libby Manson
Autora: Jane Green
Ed. Record, 462p.

Libby acabou de terminar com seu péssimo namorado Jon. Arrogante, sem dar o valor que a moça merecia, o relacionamento afunda. Depois de uma semana de fossa, Libby volta a circular. Seu interesse agora é outro: nada de se apaixonar, agora ela só quer sexo sem compromisso. Nick, um jovem escritor que não tem onde cair morto, aparece em seu caminho. O sexo é sempre ótimo, o que para Libby está perfeito, já que compromisso mesmo só com um cara rico que possa satisfazer seus gostos. O problema começa quando ela se envolve mais do que esperava, sendo que Nick não quer saber de um relacionamento sério. Aí aparece Ed, um cara rico, dono de uma bela mansão, que a presenteia com flores, chocolates e a trata da forma que ela sempre sonhou. O problema com ele é na cama... Horrível não é uma palavra adequada para descrever essa noite deles. E Libby fica furiosa com a “inexperiência” de Ed e consigo mesma por sentir falta de Nick. Agora, ela precisa escolher se casa com o banqueiro rico que irá satisfazer seus desejos caros ou se ficará com Nick, dando adeus a vida que sempre sonhou.

Um livro legal. No inicio a história é meio devagar. O relacionamento com Nick é descrito de forma não detalhista, mas lenta, o que me deixou meio cansada de ler. Até que ela termina com ele e conhece Ed. Um cara totalmente à moda antiga. Cavalheiro, mas péssimo de cama. A descrição da primeira noite deles é uma verdadeira piada, morri de rir com a raiva dela. Na verdade, morri de rir com tudo. O grande problema de Libby é sua indecisão. Ela tenta fazer dar certo com Ed, principalmente quando está cercada da riqueza e beleza que o dinheiro dele proporciona. E mesmo nessa parte ela se mostrando uma completa interesseira, acaba sendo divertido porque eu meio que já suspeitava sobre quem ela iria escolher... Uma leitura divertidíssima, um livro muito indicado.

A maldição do tigre (Colleen Houck) - DL 2013


Tema: Animais protagonistas
Mês: Março
Título: A maldição do tigre
Autora: Colleen Houck
Ed. Arqueiro, 344p.

Kelsey é orfã. Seus pais morreram em um acidente e desde então ela vive com uma família adotiva. Precisando de dinheiro para pagar a faculdade, ela resolve encontrar um trabalho temporário e começa a trabalhar em um circo. Uma de suas tarefas é ajudar a cuidar dos animais. Na primeira vez que vê a atração principal, um magnífico tigre branco com olhos azuis da cor do céu, Kelsey sente uma estranha conexão com o animal. A cada apresentação, ela se sente mais fascinada pelo belo tigre. Um dia, um senhor indiano, senhor Kadam, aparece no circo afirmando que tem intenção de comprar o tigre e levá-lo para uma reserva. Ele pede para a jovem acompanhá-lo com o pretexto de que ela se dá bem com o animal. Kelsey aceita e ao chegar na Índia descobre que o tigre, na verdade é o príncipe Dihren, que foi amaldiçoado há mais de 300 anos. Ele e seu irmão, Kishan, o tigre negro, só podem voltar a forma humana durante 24 minutos a cada 24 horas. Então, Kelsey decide ajudá-los e embarca em uma louca aventura por lugares mágicos, encontra criaturas míticas e enfrenta sérios perigos para ajudar Ren. No meio do caminho, ela se vê cada vez mais envolvida com o belo príncipe de pele dourada e olhos azuis, mas sem conseguir entender os próprios sentimentos em relação a ambos, tigre e homem.

Um livro muito bom. A história envolve desde o início. Repleto de passagens referentes as história e cultura indianas, O fato de ser por Kelsey deu um gosto a mais, já que o leitor acompanha em primeira mão o que ela sente, suas dúvidas e medos. Algumas vezes, essas dúvidas a transformaram na maior CHATA, principalmente no que dizia respeito aos sentimentos dela por Ren. Várias vezes eu tive vontade de fechar o livro (e de bater nela também) por causa disso. Tirando essas partes, a ação e a aventura prendem a atenção do leitor de uma forma que faz você querer fazer alguma coisa para por fim a maldição de uma vez. Totalmente recomendado.

17 de fev de 2013

Branca de Neve (Alexandre Callari)


Título: Branca de Neve: os contos clássicos
Autor: Alexandre Callari
Ed. Generale, 224p.

Alexandre Callari apresenta, na primeira parte do livro, versões do conto da Branca de Neve encontradas em países como Alemanha, Escócia e Suíça, comentando cada uma, apresentando um pequeno histórico do conto. Na segunda parte, ele apresenta e resume as principais representações do conto nos cinemas, peças teatrais, HQ’s e pastiches. Na terceira e última parte, o autor apresenta sua própria variação do conto da Branca de Neve.

Um livro excelente que analisa de forma breve, mas brilhante, o conto da Branca de Neve. Com prefácio de Babi Dewet (uma boa surpresa), o autor faz um apanhado das variações do conto da Branca de Neve em diversos países. O leitor pode se surpreender e deliciar com a variedade de representações, mas que apresentam quase sempre os mesmos elementos, com os quais ele (o leitor) já está acostumado: um objeto envenenado, a inveja da mulher mais velha,... Outra boa surpresa é a quantidade de representações artísticas que existem deste conto, algumas totalmente desconhecidas do público jovem (muito diferentes da já conhecida versão da Disney e talvez até mais interessantes). O conto escrito por Callari também é muito bom, porque nele Branca de Neve é demonstrada de uma forma menos submissa e um pouco mais ativa. De modo geral, eu adorei o livro. Fiquei muito interessada na época do lançamento (não só por causa do burburinho em torno do filme Branca de Neve e o caçador, que mostra uma visão mais adulta da princesa), mas porque sempre amei contos de fadas. Quando terminei, me vi desejando que o autor lançasse mais livros sobre as outras princesas dos contos de fadas, adoraria ver o histórico por trás de Cinderela, Bela Adormecida, Mulan... Enfim, um livro muito indicado, não só pela escrita simples, mas pelas informações valiosas que contém.