25 de set de 2012

Jogos Vorazes: guia do tributo (Emily Seife)


Título: Jogos Vorazes: guia do tributo
Autora: Emily Seife
Editora Prumo, 128 p.

O guia do tributo é um livro para fãs. O leitor pensa que vive em Panem, dada a linguagem deste livro, onde se explica a história deste país (que surgiu no lugar dos EUA, após o mundo entrar em colapso devido às constantes guerras e destruições do meio ambiente). A autora descreve qual a atividade exercida por cada distrito, de que forma a Colheita é realizada, a viagem para a Capital, quem são os tributos da 74ª edição dos Jogos Vorazes, informa dados sobre a preparação para os jogos, envolvendo as entrevistas, os treinamentos e o caminho até a arena. Também apresenta o presidente Snow e o chefe dos idealizadores dos jogos, Seneca Crane. O melhor atrativo do livro diz respeito a linguagem, pois a autora conseguiu utilizar o tom enganador que aqueles que já leram os livros reconhecem como sendo das propagandas sobre o quanto a Capital faz o bem para todos, ou seja, propaganda enganosa. Muito do que está aqui o leitor conhece (se viu o filme e leu os livros). Mesmo assim, vale a leitura.

Assassin’s creed Irmandade (Oliver Bowden)


Título: Assassin’s creed Irmandade
Autor: Oliver Bowden
Editora Galera Record, 387 p.

Ezio Auditore ainda está estupefato, assombrado com o que viu e ouviu na câmara. Deixando Rodrigo Bórgia para morrer, ele sai do lugar em direção aos seus companheiros e narra seu “encontro” com a deusa Minerva e a orientação que ela lhe deu sobre a Maçã. Agora, eles precisam fugir para evitar serem capturados pelos guardas dos Bórgia. Quando Cesare Bórgia, filho de Rodrigo, ataca a fortaleza de seu tio, mata Mario e consegue pôr as mãos na Maça, Ezio novamente jura vingança. A irmandade dos Assassinos está sem líder agora e desconfianças sérias quanto à fidelidade de alguns membros começa a ser questionada. Ao mesmo tempo em que Ezio tenta descobrir quem é o verdadeiro traidor, ele precisará lidar com Cesare, doente e louco por poder. Um novo papa é escolhido e a vida parece estar voltando ao normal, mas enquanto Ezio não matar Cesare Bórgia, a irmandade dos Assassinos não poderá ter descanso.  

Como no primeiro livro, uma leitura de tirar o fôlego. Os acontecimentos são corridos e as batalhas são constantes. A cada momento, o leitor está em uma parte diferente da Itália. Poucas vezes dá para se ter noção dos anos passando, porque a cada momento Ezio está envolvido em uma luta diferente. Talvez esse seja um ponto negativo do livro, mas a história continua carregada de aventura e novas descobertas.

17 de set de 2012

O trono de fogo de Rick Riordan – DL 2012


Tema: Mitologia universal
Mês: Setembro de 2012 (Livro 3)
Leitura do mês: O trono de fogo
Autor: Rick Riordan
Editora Intrínseca, 398 p.

Carter e Sadie estão de volta a casa do Brooklyn, agora uma sede de treinamento para jovens do mundo todo que descendem de linhagens faraônicas. Desta vez, eles precisam encontrar os pedaços do Livro de Rá, o deus Sol, e decifrá-lo para poder vencer uma batalha contra Apófis, o deus do caos. Eles só têm cinco dias para decifrar o livro, despertar Rá e evitar que Apófis se liberte de sua prisão milenar. No meio disso, Carter lida com uma “paixonite obsessiva”, enquanto Sadie suspira pelo deus Anúbis e por Walt, um dos seus aprendizes. Quando Sadie volta a Londres para celebrar seu aniversário com suas amigas, tudo dá errado e assim, novamente os irmãos embarcam em uma nova aventura, lidando com novos inimigos e com as dúvidas dos deuses sobre o despertar de Rá. A Casa da Vida, com Desjardins como Sacerdote-Leitor Chefe, agora oferece um perigo maior, pois um mago poderoso parece estar controlando Desjardins totalmente, e os irmãos precisam descobrir se despertar o deus Sol realmente os ajudará na luta contra o caos.

Novos deuses são apresentados, assim como o mito do nascimento do sol e a luta da Ordem contra o Caos. Riordan continua, em meio a aventura principal, apresentando as várias facetas dos deuses egípcios. Desde o primeiro livro, o autor utiliza algumas passagens cômicas para expressar as dúvidas e descobertas pertinentes à adolescência. Neste segundo livro, estas passagens conseguem ser mais engraçadas. Uma excelente sequência.

A pirâmide vermelha de Rick Riordan – DL 2012


Tema: Mitologia universal
Mês: Setembro de 2012 (Livro 2)
Leitura do mês: A pirâmide vermelha
Autor: Rick Riordan
Editora Intrínseca, 445 p.

Carter Kane e seu pai Julius estão em Londres para a costumeira visita a irmã de Carter, Sadie, que vive com os avós maternos desde a morte da mãe deles. Julius Kane é um arqueólogo e egiptólogo conhecido no mundo todo. Nesta noite, uma véspera de Natal, Julius resolve levar os filhos para o British Museum, onde ele afirma para os filhos que irá “consertar” as coisas. No entanto, tudo dá errado, pois Dr. Kane acaba libertando os principais deuses do panteão egípcio: Set, Osíris, Hórus, Néftis e Ísis. O maligno deus Set aprisiona Julius em um caixão e o enterra, jurando perseguir seus filhos. A confusão está armada, Carter e Sadie não entendem nada e acabam sendo levados por um homem chamado Amós para uma casa no Brooklyn, Estados Unidos. Só que nem tudo parece seguro: sua nova casa é atacada e eles precisam fugir para salvar suas vidas. A partir daí, os irmãos Kane embarcam em uma aventura louca e cheia de imprevistos para salvar seu pai, e no caminho descobrem a verdadeira história de sua família, qual seu vínculo com um grupo secreto de magos poderosos que existe desde o tempo dos faraós e qual a real fonte de seus poderes.

Eu simplesmente amei este livro. Desde que assisti a desastrosa adaptação de Percy Jackson para o cinema, fiquei com um pé atrás com Rick Riordan (como se a culpa do filme ruim fosse do autor....), então estava muito na dúvida com essa nova série. Não me arrependi. O livro, narrada em primeira pessoa (alternando entre os irmãos) é repleto de informações históricas e curiosas sobre o Egito Antigo, principalmente sobre sua mitologia. Conhecemos um pouco da história de Osíris, Ísis e Hórus, da eterna disputa pelo poder entre Set e Osíris e do papel que cada um dos mais importantes deuses egípcios desempenhava. Um dos pontos altos é a maneira como Riordan explorou as variações de um mesmo mito. Por exemplo, uma das variações: quando Osíris é aprisionado pelo irmão Set, seu caixão é quebrado e o pedaço espalhado por vários cantos do Egito. Ísis foge, reúne os pedaços e revive Osíris tempo suficiente para que ela engravide de Hórus, o qual mais tarde derrota Set e assume o trono. Existe outra variação em que Hórus é irmão de Osíris e Ísis, ao invés de filho. Os três, junto a Set e Néftis, são filhos de Geb e Nut. Riordan expõe cada variação de uma forma que o leitor não se confunde. Ele também menciona objetos famosos, como a Pedra de Roseta, e explica sua história. Este livro reúne todos os elementos de uma deliciosa aventura infantojuvenil: aventura, diversão e educação.

16 de set de 2012

A epopéia de Gilgamesh – DL 2012



Tema: Mitologia universal
Mês: Setembro de 2012 (Livro 1)
Leitura do mês: A epopéia de Gilgamesh
Autor: Anônimo
Editora Martin Fontes, 182 p.

Gilgamesh foi o rei de Uruk. Dotado de grande poder e e beleza pelos deuses, Gilgamesh se tornou um homem forte e um grande guerreiro. Ele conquistava todas as cidades, todas as mulheres e não havia outro homem que pudesse se equiparar a ele. Até o momento em que os deuses, escutando os lamentos do povo que Gilgamesh não poupava, decidiram criar um “rival”. Enkidu nasceu da imagem criada pela deusa Aruru. Enkidu era um homem selvagem, que vivia nas colinas dentre as feras que aceitavam sua companhia como se fosse seu igual. Um caçador o encontra e, assombrado com sua força selvagem, fala com Gilgamesh, que entrega ao caçador uma rameira para que a mulher o tentasse. O encontro acontece, Enkidu cede e perde a capacidade (por assim dizer) de conviver em harmonia com os animais. Quando se deitou com a mulher, ele se tornou realmente um homem. Impressionado com o que ela conta sobre Gilgamesh e seu reino, Enkidu resolve desafiá-lo. A luta entre ambos é assustadora. Quando Gilgamesh tropeça na muralha da cidade, Enkidu o ajuda. O rei Gilgamesh percebe que encontrou o amigo dos seus sonhos premonitórios, já que Enkidu, ao invés de matá-lo como deveria, venceu a luta sem sangue derramado.

Uma história que vale a pena ser lida por diversos motivos. O texto reporta a uma cultura quase muito antiga, da qual poucos são os registros que ainda temos hoje. A antiga região da Mesopotâmia (que hoje abarca alguns territórios do Oriente Médio) é a região “berço do mundo”, onde a própria civilização nasceu, onde surgiram as primeiras formas de escrita. Além disso, se refere a uma cultura que poucos conhecem, mas que faz parte da história da humanidade. Este tipo de poema é o único que me dar prazer em ler (talvez porque contem histórias sobre mitologias e heróis épicos). Uma história onde aventura, moralidade e tragédia se reúnem, esse livro é indicada não somente por precederem as epopéias de Homero mas por sua qualidade e originalidade.

4 de set de 2012

Teaching fantasy novels (Phyllis J. Perry)



Título: Teaching Fantasy Novels: from
The Hobbit to Harry Potter and the Goblet of Fire
Autora: Phyllis J. Perry
Editora Teacher Ideas, 185 p.

The High King, The lost years of Merlin, Os túmulos de Atuan, As Crônicas de Nárnia: o leão, a feiticeira e o guarda-roupa, A lunêta âmbar, Harry Potter e o Cálice de Fogo, O Hobbit,... Estas são algumas obras mencionadas no livro de Phyllis Perry. Ela resume cada uma das histórias e fornece um pequeno guia dos personagens principais, além de disponibilizar questionários e idéias para atividades que professores podem realizar em sala de aula. O livro todo ensina que as obras clássicas da literatura podem ser excelentes instrumentos de ensino em sala.

Minha Cinderela interior (Graziella Mafraly)



Título: Minha Cinderela interior
Autora: Graziella Mafraly
Editora PerSe, 168p.

Laura tem 19 anos, é universitária e pensa que é muito gorda para que nenhum cara possa se interessar por ela. Até Victor, mandão, ciumento, possessivo e controlador, aparecer em sua vida. Laura sempre reparou nele na faculdade, sem saber que ele também estava de olho nela. Desde o início, Victor é claro: quer ficar com Laura, a seguiu para saber onde morava e até começou um tratamento dentário para se aproximar dela (ele odeia dentista). Eles começam a namorar, e mesmo com uma prima de Victor sempre tentando deixar Laura por baixo, o relacionamento evolui, Mas Laura já percebeu que existe alguma coisa errada com seu namorado. E não se trata de Victor está aberto a variadas opções na cama...

O título deste livro é bastante sugestivo. A protagonista sofre de um “complexo de Cinderela” (mais ou menos). No início, fiquei com muito pé atrás com Victor, e comecei a ficar com raiva achando que ele fosse brincar com os sentimentos de Laura, mas o que me surpreendeu foi sua honestidade desde o início. Também foi muito fácil se identificar com Laura (que menina aos dezenove anos não se sente insegura da aparência?). A narrativa leve torna a história muito boa. Adorei.