25 de mar de 2012

Ink and Fairydust – Fairy Tales



Uma edição da Ink and Fairydust sobre os contos de fadas. Como sempre, os artigos são excelentes. Para saber mais sobre esta e outras publicações da revista no Issuu, é só dar uma olhada no post Ink and Fairydust – Jane Austen e J.R.R. Tolkien.

Meu querido professor (Nath Souza)

Mais uma indicação de escritor brasileiro. Na verdade, uma escritora: Nath Souza, com o livro Meu querido professor.


“Quem nunca gostou de um professor que atire a primeira pedra! Tá com vergonha de admitir? Não precisa, estamos entre amigas e aqui ninguém vai contar o seu segredo, eu prometo!” Quatro garotas se encontraram por acaso, fundaram o CLUBE MEU QUERIDO PROFESSOR. Juntas irão compartilhar experiências através de encontros online e descobrir como a vida pode trazer grandes surpresas. Quer saber o que acontecerá com elas? Entre você também para o clube!(Sinopse: Skoob)

No blog do livro, a autora está aceitando inscrições para o próximo booktour. Quem se interessar, corre lá e se inscreve. E quem quiser ler o primeiro capítulo, é só clicar aqui. Vale muito a pena.

Anjos e demônios de Dan Brown – DL 2012


Tema: Serial killer
Mês: Março de 2012
Leitura do mês: Anjos e demônios
Autor: Dan Brown
Editora Sextante, 447 p.

O famoso simbologista de Harvard, professor Robert Lagdon, acorda no meio da noite com um telefonema misterioso: o físico Maximilian Kohler o procura em busca de respostas para um crime. Dentro do prédio do CERN um respeitado cientista foi morto e teve o corpo marcado com um símbolo que Langdon conhece muito bem: um ambigrama com a palavra Illuminati. Ao mesmo tempo em que o professor e o físico marcam de se encontrar, em outro lugar, um homem misterioso entrega a seu mestre a encomenda pedida.
Robert Langdon chega a Suíça e vai direto ao CERN, um centro onde se reúnem os maiores cientistas do mundo. Kohler, o diretor, o recebe e o leva ao apartamento do cientista morto, Leonardo Vetra, para que Langdon pudesse, com seus conhecimentos sobre simbologia religiosa, esclarecer questões sobre a marca horrorosa no cadáver. Ao mesmo tempo em que Robert explica, em outro país, um guarda encontra um estranho objeto.
No CERN, chega Vittoria Vetra. Kohler havia avisado-a sobre a morte de seu pai adotivo. Ela exige saber porque as autoridades ainda não foram chamadas, mas o cientista tem outros planos. Ele exige saber qual era o projeto ultra-secreto em que ela e Leonardo trabalhavam. Vittoria explica que eles conseguiram cria r a antimatéria ou a explicação e prova científica de que o Gênese bíblico realmente aconteceu. O problema é que eles haviam criado uma quantidade que poderia parecer insignificante, mas que, em mãos erradas, tem o potencial de destruir uma cidade inteira (“Uma luz cegante. O rugido de um trovão. Incineração espontânea. Apenas o clarão... e uma cratera vazia. Uma imensa cratera vazia.”). Kohler fica possesso com essa descoberta, enquanto Vittoria começa a desconfiar do diretor. Até ver o olho de seu pai rolando no chão e o local que abrigava a antimatéria vazio. Enquanto isso, aquele homem misterioso, identificado como Hassassin, começa a agir.
Vittoria Vetra está atordoada, pois acaba de ver o cadáver do pai, ao mesmo tempo em que Kohler começa a passar mal. Uma ligação, que Langdon percebe ser do Vaticano, faz com que os três percebam onde o ladrão escondeu a antimatéria. Assim, o professor e Vittoria embracam para o Vaticano, onde está sendo realizado o conclave e onde eles também se vêem envolvidos no desaparecimento de quatro cardeias. O problema é que estes não são quaisquer cardeais, são os quatro preferiti, os quatro cardeais preferidos à sucessão do trono papal. A partir daí, os dois embarcam numa louca caçada por Roma e pelo Vaticano, explorando obras de artes, igrejas, ruas e monumentos para descobrir onde está a antimatéria e tentar salvar a vida dos cardeais.


Esse livro é ótimo. Eu vi o filme antes, estava muito curiosa pra saber quais haviam sido as mudanças feitas. E muita coisa realmente foi mudada. Mas o cerne da história permanece. Como nos livros que tem Robert Langdon como personagem principal, as explicações históricas são abundantes e excelentes. Não dá par a não botar a imaginação para trabalhar com as descrições simbólicas feitas por ele (o que mais uma vez me lembra porque eu escolhi cursar História. Adoro História da Arte). O livro também ajuda bastante. Eu quis ler, como no caso de Anjos e Demônios, a edição ilustrada justamente por isso. Dan Brown descreve tantas obras de arte que eu ficaria louquinha se tentasse imaginá-las. Essa edição trás mais de 150 imagens de mapas, símbolos, pinturas, esculturas e locais históricos que são de tirar o fôlego. Uma leitura marcante que não decepciona. Como no caso dos livros de Dan Brown, quando o leitor pensa que está chegando no fim do mistério (e depois de muito cansar seu tico-e-teco), o autor surpreende de novo.

13 de mar de 2012

Contos de Meigan: a fúria dos Cartagos (Roberta Spindler e Oriana Comesanha)



Divulgando: as autoras paraenses Roberta Spindler e Oriana Comesanha promovem um evento do seu livro Contos de Meigan: a fúria dos Cártagos.

Sinopse: Meigan é um mundo diferente do nosso, morada de seres especiais e poderosos que se denominam magis. Na aparência são exatamente como nós, mas as diferenças não podem ser ignoradas por muito tempo. Os magis tem uma relação especial com a natureza e seus elementos, moldando-os a sua vontade e apoderando-se de sua força.
Esses elementos, chamados mantares, não se limitam apenas aos conhecidos fogo, terra, ar e água. Existem muitos outros, como as sombras, o tempo e até mesmo o controle sobre o próprio corpo. Ter a capacidade de decifrar, entender e interagir com a natureza é um dos principais requisitos para a evolução de um magi. Para tanto, deve-se, primeiramente, entender que tudo faz parte da mesma manifestação natural e que toda matéria e energia estão inseridas em um processo dinâmico e universal.

Pela minha pesquisa blogs afora, percebi que o livro foi muito bem recebido por blogueiros e leitores em geral. Mais um pra minha booklist. Meus parabéns às autoras. É muito difícil conseguir algum sucesso nesse gênero (ficção infanto-juvenil), ainda mais considerando a situação no nosso país no que diz respeito a literatura como um todo. Muito feliz em saber que duas autoras paraenses conseguiram o reconhecimento merecido.
Caso alguém queira comprar o livro, é só clicar aqui (link direto ao site da editora Dracaena).

A Fera (Alex Flinn)


Título: A Fera
Autora: Alex Flinn
Editora Galera Record, 320p.

Um bate papo online onde se reúnem vários personagens de histórias clássicas: a Pequena Sereia (não a da Disney, a real), o sapo (que precisa do beijo de uma princesa para voltar ao normal), e claro a Fera.
Kyle Kingsbury é um cara rico e egocêntrico que acha que beleza é tudo. Filho de pai famoso, ele humilha qualquer um que não possa se comparar a ele em beleza e riqueza. Ele convida Kendra, sua colega gótica esquisita para um baile no intuito de humilhá-la, quando na verdade vai à festa com sua namorada super popular Sloane. Seu pai é como ele, só pensa em si mesmo. Apesar de Kyle se ressentir da pouca atenção que seu pai lhe dá, ele também não faz nada para mudar a si próprio. Quando Kyle aparece com um ramalhete de rosas brancas, Sloane faz um escândalo (o que ela queria na verdade era um caro ramalhete de orquídeas, não uma rosa barata). Então, ele oferece a flor para outra aluna, uma que ele nunca havia notado (nem mesmo pra tirar sarro). Kendra chega ao baile e Sloane não perde a chance de humilhá-la, como Kyle. Mas Kendra está longe de se sentir ofendida. Pelo contrário. Mesmo continuando sua diversão, Kyle não consegue esquecer o estranho olhar da garota gótica. E suas palavras também não lhe saem da cabeça. Ao chegar em casa, ela está lá, esperando por ele. E o amaldiçoa, transformando-o num monstro. Mas Kendra lhe dá uma chance de voltar ao normal: se num período de 2 anos ele encontrasse o amor verdadeiro e a pessoa se apaixonasse por ele, o feitiço seria quebrado. Caso contrário, ele continuaria uma fera para sempre.
Seu pai parte em busca de médicos e tratamentos, mas todos são taxativos: não há como Kyle voltar ao normal. Kyle começa a se desesperar quando encontra um espelho mágico. Kendra o aconselha a não destruir o objeto, já que um dia pode ser útil. Sem nada para fazer, Kyle começa a bisbilhotar a vida de seus “amigos” e colegas através do espelho. É assim que ele descobre o verdadeiro caráter de sua ex-namorada e principalmente quem é a tal garota para quem ele deu o ramalhete no baile: Linda Owens. Nessa primeira espiada, ele tem um vislumbre da sua péssima situação de vida. Enquanto isso, Kyle se muda de sua cobertura para uma casa de pedra no Brooklyn. Ele, sua empregada Magda e seu tutor cego, Will, passam a viver nessa casa. O tempo passa e Kyle, agora Adrian, começa a avaliar sua vida e o tratamento que dispensava aos que considera inferior a si próprio. Quando sua estufa (que ele mesmo construiu) é invadida por um ladrão, Adrian tem nas mãos a chance que precisa: o ladrão não é ninguém menos que o pai drogado de Linda Owens, que oferece a filha em troca de não ser preso. Adrian entra num frenesi, preparando o quarto de Linda, montando seu guarda-roupa e sua biblioteca (em sua espionagem, ele já havia descoberto o quanto a garota gosta de ler). E quando Linda chega, Adrian deseja que ela não o odeie por mantê-la presa. No início, é justamente isso que ela sente, mas após vê-lo e conhecê-lo, eles se tornam amigos. Linda passa a ter aulas junto com ele e a amizade vai se estreitando. Adrian percebe que já está apaixonado, mesmo sabendo (ou achando) que ela nunca iria amar uma fera. Quando ela conta que tinha uma queda por Kyle Kingsbury, as emoções de Adrian estão à flor da pele. Ele desiste, pois pensa que ela nunca irá amá-lo. Ambos se divertem bastante quando viajam juntos, até Linda descobrir que seu pai está passando por dificuldades maiores que antes. Ela vai embora e Adrian volta a espioná-la como antes, sem esperança alguma. O tempo continua passando. No dia em que o feitiço deveria ser quebrado, eles voltam a se encontrar, mas a situação é grave. Será que Kyle volta a ser um cara normal ou será uma fera para sempre?

O livro é ótimo. Foi a segunda vez que li uma variação dos contos de fadas (a primeira foi com o livro Confissões de uma irmã de Cinderela, de Gregory Maguire, para o Desafio Literário 2010). Como eu havia odiado esta história, fiquei com pé atrás. Só me interessei quando descobri que o livro havia sido adaptado para o cinema, com Alex Pettyfer no papel de Kyle. Acabei vendo o filme, o que me convenceu a ler o livro.Um dos fatores que me levaram a gostar deste livro foi o fato da história de Kyle ser entremeada com as conversas online entre a Fera e seus amigos “fantásticos”. Também gostei bastante de fazer referências tanto a visão comum deste conto (da Disney, com o espelho mágico) quanto ao conto clássico (a Fera adorar rosas). Um romance lindo que, assim como o conto, nos faz avaliar melhor o que realmente importa na vida.


Quanto ao filme, algumas coisas mudaram (eu não vou dizer quais). Mas é um filme bonito, também. Alex Pettyfer é Kyle Kingson/Hunter, Vanessa Hudgens é Lindy e Mary-Kate Olsen é a bruxa Kendra (adorei essa menina nesse papel, estava cansada de ver as gêmeas Olsen sempre em papéis de boazinhas e princesinhas).
Sinopse: A história do filme segue Kyle Kingson, um jovem que tem tudo, inteligência, beleza, riqueza e boas oportunidades, mas possui uma personalidade perversa e cruel. Após humilhar uma colega de classe, ele é amaldiçoado por ela para se tornar tudo o que ele despreza. Enfurecido com a sua nova horrível aparência, ele vai atrás da garota e descobre que só terá a sua beleza de volta se fazer com que alguém consiga amá-lo, algo que ele considera impossível. Ao ver o que o filho se tornou, o pai do garoto o manda para o Brooklyn com uma empregada e um professor cego. No local, ele se envolve com um viciado em drogas e sua filha, que o ajudarão a descobrir o verdadeiro amor.

5 de mar de 2012

Melhor amigo ou namorado (Bárbara Lorentz)


Título: Melhor amigo ou namorado
Autora: Bárbara Lorentz
Editora Galera Record, 272p.

Camila e Gustavo são melhores amigos desde crianças. Cada um conhece o outro muito melhor do que a si mesmo. Até que a amizade que Camila sente por Gustavo muda para um sentimento mais forte. Ela de declara, mas ele não leva a sério e ainda brinca com o sentimento dela. Gustavo começa a sair com Ana, a melhor amiga de Camila, que faz exatamente o oposto do que (eu acredito) muitas de nós faríamos: não se afasta e ainda o aconselha a começar um relacionamento sério com Ana. Como Gustavo sempre escuta sua melhor amiga, ele aceita mais uma vez esse conselho. Até seus sentimentos por Camila mudarem. Na verdade, esse sentimento sempre existiu, mas ele só se dá conta mais tarde, quando já estava no relacionamento sério com Ana. E Camila sempre lá, do lado, apoiando... Consciente de que ela não é a mulher da vida dele. Ou é?

Não posso deixar de agradecer a autora, Bárbara (Babi) Lorentz, por ter me mandado a cópia desse seu segundo livro (o primeiro é O que há por trás, que já mencionei aqui no blog). Eu descobri o livro e a autora numa lista de desejados de uma possível troca no Skoob, adorei a capa, fucei mais o site buscando mais explicações e achei uma resenha do primeiro livro da Babi. Entrei em contato com a autora e ela simplesmente me mandou a cópia do seu livro (muito obrigada pela confiança!).
Adorei ler esse livro por várias razões. A primeira é: a história se passa alternando dois tempos, cada um por um ponto de vista diferente (ora de Gustavo, ora de Camila). E essas duas linhas de temporalidade são intercaladas, mostrando como tudo aconteceu, desde a declaração de Camila até a (finalmente!) declaração de Gustavo. A segunda: a leitura é divertida, leve e rápida. Muito recomendado.

Lonely hearts club (Elizabeth Eulberg)


Título: Lonely hearts club
Autora: Elizabeth Eulberg
Editora Intrínseca, 238p.

Penny Lane era apaixonada por Nate, seu amigo desde a infância. Quando ele chega pra passar o verão, Penny está muito feliz. Ela está decidida a dar um passo maior em seu relacionamento secreto. Até pegar Nate na cama com outra. Decepcionada com o cara que ela acreditava ser seu príncipe encantado e relembrando seus (desastrosos namoros passados), Penny decide parar de namorar. Pelo menos até sair de sua escola. Ela funda um clube chamado Lonely Hearts Club, em homenagem ao disco Sgt.Pepper’sLonelyHeratsClubBand, dos Beatles (seus pais são tão apaixonados pelo grupo que deram às filhas nomes das músicas: Penny, Lucy e Rita). Ao mesmo tempo, sua ex-melhor amiga, Diane Monroe, volta a procurá-la e pede desculpas por ter se afastado quando começou a namorar Ryan. Diane se interessa pelo clube e, decidida a não mudar mais de personalidade por causa de um garoto, se junta a Penny. O problema todo acontece quando o clube começa a chamar atenção, já que praticamente todas as meninas da escola resolvem se juntar a ele, deixando os garotos furiosos (para eles, o clube de Penny proibia as meninas de namorá-los). Quando a vida de Penny parece estar normal, ela percebe que algo estranho está acontecendo entre ela e Ryan, ex de Diane e seu amigo, ao mesmo tempo em que Nate continua perturbando-a com mensagens do tipo “desculpa-pelo-meu-comportamento-mas-eu-amo-você”. E agora? Será que ela, como presidente do Clube, pode namorar? E será que Ryan é tão diferente dos outros? E qual será a resposta que Penny dará a Nate quando eles se encontrarem pela primeira vez depois daquela noite?

Eu amei esse livro. Além de fazer inúmeras referências aos Beatles e suas músicas. Penny é tão complicada, ao mesmo tempo em que Tracy é divertida. Adoro quando Penny consegue dar o troco em Nate, e amei a armação de Tracy para que sua amiga e Ryan se acertassem. Uma leitura divertidíssima. Muito recomendado.