30 de dez de 2011

Feliz 2012!


Como eu já disse no blog Meu Cantinho Literário, 2011 foi um ano de conquistas pessoais e de maior dedicação aos meus blogs. Completei o Desafio Literário 2011 e espero fazer o mesmo em 2012, apesar de alguns temas não serem fáceis...
Meu saldo de Natal também foi muito bom. Não esperava ganhar todos os livros que pedi, mas foi o que aconteceu :) Também ganhei e pude comprar alguns livros da lista do DL 2012. Agora, minha booklist aumentou um pouquinho. Já tendo citado na Minha Meta Literária 2012 alguns que vou ler fora do Desafio, agora adiciono à lista: Little Women, Como se livrar de um vampiro apaixonado (só por curiosidade) e Academia de Princesas.
Em 2012, o Fantástico Mundo da Leitura fará 1 ano e eu espero conseguir comemorar. Enfim. Obrigada a todos que começaram a seguir o blog esse ano e espero que continue comigo. Um excelente 2012 a todos, cheio de paz, saúde e prosperidade. Até ano que vem!!!

Retrospectiva Literária 2011


Pela primeira vez participando da Retrospectiva Literária do blog Pensamento Tangencial. Aí vaí a minha lista.

O livro infanto-juvenil que mais gostei: eu li dois livros infantis esse ano, Alice: Aventuras de Alice no País das Maravilhas & Através do espelho e Chapeuzinho Vermelho e outras histórias (não considero a trilogia Fronteiras do Universo como livros infantis por causa da temática), sendo que este último faz parte de uma coleção que eu terminei de ler agora. As histórias são clássicas e mostram (o que eu acho que são) as versões verdadeiras coletadas pelos Irmãos Grimm. Apesar de não poder dizer que foi o que eu "mais gostei", Alice foi esclarecedor. Estava acostumada só com o filme da Disney, então foi bom conhecer a verdadeira história (até porque a edição que eu li era a comentada e ilustrada).

A aventura que me tirou o fôlego: a trilogia Fronteiras do Universo, de Philip Pullman e Mirkwood de Steve Hillard.

O terror que me deixou sem dormir: não li terror esse ano, mas como vou participar do Desafio Literário 2012, vou ter que ler pelo menos um.

O suspense mais eletrizante: se eu puder categorizar a trilogia de Pullman como suspense...

O romance que me fez suspirar: O Guarani (Peri, que índio é esse...)

A saga que me conquistou: as trilogias de Philip Pullman e de Cornelia Funke.

O clássico que me marcou: Jane Eyre (Mr. Rochester rivaliza com Mr. Darcy no meu coração, não consigo mais viver sem nenhum deles).

O livro que me fez refletir: O Diário de Anne Frank, pela esperança que Anne e sua família ainda tinham de que a guerra acabasse e eles pudessem retomar suas vidas.

O livro que me fez rir: não foi um livro, mas sim duas coleções de gibis: Clássicos da Literatura Disney e Pateta faz História.

O livro que me fez chorar: Um leão chamado Christian. Não posso ler livros sobre animais. Fato.

O melhor livro de fantasia: novamente, trilogias de Philip Pullman e de Cornelia Funke.

O livro que me decepcionou: foi um pouco decepcionante ler William & Kate porque parecia que eu estava lendo artigos do DailyMail. Apesar de ser um livro ilustrado com fotos, nem isso salvou muito o livro porque a maioria delas estavam disponíveis há muito tempo na internet. Para um dos únicos livros em português sobre o romance do Príncipe William e Catherine Middleton, esse livro deixou a desejar.

O livro que me surpreendeu: Sementes no gelo. Não sou muito fã de literatura nacional (o que é um erro), então acho que foi por isso que o livro de André Vianco me surpreendeu. A temática é bastante interessante.

A frase que não saiu da minha cabeça: entre Jane Eyre e Harry e seus fãs, complicado... não tenho como responder essa.

O(a) personagem do ano: empatado em Jane Eyre, Harry Potter, Christian (o leão) e Lyra da Língua Mágica.

O casal perfeito: Jane Eyre e Mr. Rochester.

O(a) autor(a) revelação: André Vianco. Realmente preciso ler mais autores nacionais.

O melhor livro nacional: O Guarani.

O melhor livro que li em 2011: sem sombra de dúvida, Jane Eyre e Harry e seus fãs.

Li em 2011 35 livros.

A minha meta literária para 2012 é: com certeza (e graças ao Desafio Literário 2012) 24 livros. O que vier a mais é lucro.

Então foi isso. Que venham mais livros em 2012. A Angélica já confirmou que nesse ano que entra ela vai repetir o Meme, então até lá :)

22 de dez de 2011

Desafio Literário 2012



Finalmente, minha lista está pronta. Demorei a completar as leituras devido a não querer ler ebooks (comecei a pesquisar os preços de alguns, enquanto outros livros vou tentar trocar no Skoob). Por ora, a lista é essa.

Janeiro – Literatura Gastronômica 
Amei, perdi, fiz espaguete (Giulia Melucci)
Julia & Julie (Julie Powell)
Nanny Ogg’s Cookbook (Terry Pratchett)
O Clube das Chocólatras (Carole Matthews)
Escola de Sabores (Erica Bauermeister)
Como Água para Chocolate (Laura Esquivel)

Fevereiro – Nome Próprio
Kate (Claudia Joseph)
Barbie & Ruth (Robin Gerber)

Março – Serial Killer 
Anjos e Demônios (Dan Brown)

Abril – Escritor Oriental 
O império do sol (J.G. Ballard)
O tigre branco (Aravind Adiga)
A Cidade do Sol (Khaled Hosseini)
Eu sou um gato (Natsume Soseki)

Maio – Fatos Históricos
Memórias de Cleópatra, a filha de Ísis (Margaret George)
Memórias de Cleópatra, sob o signo de Afrodite (Margaret George)
Memórias de Cleópatra, o beijo da serpente (Margaret George)

Junho – Viagem no Tempo
Os doze trabalhos de Hércules (Monteiro Lobato) 
A Mulher do Viajante no Tempo (Audrey Niffenegger) 
Em algum lugar do passado (Richard Matheson)

Julho – Prêmio Jabuti 
As meninas (Lygia Fagundes Telles)

Agosto – Terror
Drácula (Bram Stoker)
Frankenstein (Mary Shelley)
Entrevista com o vampiro (Anne Rice)

Setembro – Mitologia Universal 
A pirâmide vermelha (Rick Riordan)
O Trono de Fogo (Rick Riordan)
A lenda de Sigurd e Gudrún (J.R.R. Tolkien)

Outubro – Graphic Novel
O Hobbit (J.R.R. Tolkien, Charles Dixon e David Wenzel)
Crepúsculo vol. 1 (Stephenie Meyer e Young Kim)
Crepúsculo vol. 2 (Stephenie Meyer e Young Kim)
Jane Eyre (Charlotte Brontë, Amy Corzine e John M. Burns)

Novembro – Escritor (a) Africano 
Mestre Gil de Ham (J.R.R. Tolkien)
Roverandom (J.R.R. Tolkien)

Dezembro - Poesia 
Ilíada (Homero)
Teogonia (Hesíodo)
As aventuras de Tom Bombadil (J.R.R. Tolkien)

Contos de Natal, de Leo Buscaglia




Natal se aproximando, fim de ano chegando... Sempre fico meio melancólica essa época do ano. Andava procurando leituras relacionadas e achei um livro bem fofinho chamado Amor de Natal. Nesse livrinho, o autor narra alguns dos mais importantes Natais da vida de um homem, que no meio do livro descobri ser ele. Talvez eu possa, por isso, chamar esse livro de uma autobiografia natalina fictícia. Dividido em 7 pequenos capítulos, o autor narra em forma de contos situações que viveu, pessoas com quem conviveu e lições que aprendeu em cada uma das mais marcantes celebrações de Natal que viveu, desde os sete anos até o Natal em que quase morreu. E no início de cada capítulo, uma citação que tem a ver com o Natal que será contado mostra algumas belas mensagens. O livro é uma raridade, descobri na Biblioteca Pública Arthur Vianna, a biblioteca pública da minha cidade. Valeu a pena a leitura.

18 de dez de 2011

Minha Meta Literária 2012


Livros que vou ler em 2012
A minha Lista do Desafio Literário 2012 já está pronta, apesar de eu não ter postado ela ainda, porque alguns livros estou na expectativa de aquirir. Como não sei se isso vai acontecer, vou listar aqui os títulos preliminares:

-Amei, perdi, fiz espaguete (Giulia Melucci)
-Julia & Julie (Julie Powell)
-Nanny Ogg’s Cookbook (Terry Pratchett)
-O Clube das Chocólatras (Carole Matthews)
-Escola de Sabores (Erica Bauermeister)
-Como Água para Chocolate (Laura Esquivel)
-Kate (Claudia Joseph)
-Barbie & Ruth (Robin Gerber)
-Anjos e Demônios (Dan Brown)
-O império do sol (J.G. Ballard)
-O tigre branco (Aravind Adiga)
-A Cidade do Sol (Khaled Hosseini)
-Eu sou um gato (Natsume Soseki)
-Memórias de Cleópatra, a filha de Ísis (Margaret George)
-Memórias de Cleópatra, sob o signo de Afrodite (Margaret George)
-Memórias de Cleópatra, o beijo da serpente (Margaret George)
-Os doze trabalhos de Hércules (Monteiro Lobato)
-A Mulher do Viajante no Tempo (Audrey Niffenegger)
-Em algum lugar do passado (Richard Matheson)
-As meninas (Lygia Fagundes Telles)
-Drácula (Bram Stoker)
-Frankenstein (Mary Shelley)
-Entrevista com o vampiro (Anne Rice)
-A pirâmide vermelha (Rick Riordan)
-O Trono de Fogo (Rick Riordan)
-A lenda de Sigurd e Gudrún (J.R.R. Tolkien)
-O Hobbit (graphic novel)
-Crepúsculo vol. 1 (graphic novel)
-Crepúsculo vol. 2 (graphic novel)
-Jane Eyre (graphic novel)
-Mestre Gil de Ham (J.R.R. Tolkien)
-Roverandom (J.R.R. Tolkien)
-Ilíada (Homero)
-Teogonia (Hesíodo)
-As aventuras de Tom Bombadil (J.R.R. Tolkien)

A primeira leitura do ano
Ainda estou decidindo dentre os títulos para o primeiro mês do Desafio Literário 2012.

Lançamento nacional do ano
O livro 4 da série Fazendo meu filme, de Paula Pimenta.

Lançamento internacional do ano
O último livro da série Herança, de Christopher Paolini e Uma força medonha, de C.S. Lewis.

A continuação da saga mais esperada:
O sexto livro da coleção Crônicas de Imaginarium Geographica, que será lançado nos EUA.

Lançamento do final de saga mais esperada
Nesse caso, só o último da série Herança. Acho que espero pelo final da saga de Eragon há uns 4 anos... Estou louca pra saber o que vai acontecer com Murtagh e Thor (por favor, que não seja nada de ruim).

Leituras futuras
Além dos livros do Desafio Literário 2012, alguns que estão na minha booklist e outros que encomendei agora no fim do ano

-Eu fui a melhor amiga de Jane Austen (Cora Harrison)
-Onde habitam os dragões (James A. Owen)
-Crepúsculo, guia oficial ilustrado da série (Stephenie Meyer)
-Assassin's Creed: Renascença (Oliver Bowden)
-O atlas esmeralda (John Stephens)
-Aprendi com Jane Austen (William Deresiewicz)
-Box Jane Austen Best Bolso
-Mr. Darcy's diary (Amanda Grange)
-Captain Wentworth's diary (Amanda Grange)

E várias sequels de Jane Austen.

Livros na booklist:
Todos importados (a Livraria Cultura vai enriquecer. Deixa só eu começar a trabalhar...)

-Looking for the King (David C. Downing)
-The Inklings of Oxford: C.S. Lewis, J.R.R. Tolkien and their friends (Harry Lee Poe)
-Jane Austen: The world of her novels (Deirdre Le Faye)
-In the steps of Jane Austen: Walking tours of Austen's England (Anne-Marie Edwards)
-There and back again: In the footsteps of J.R.R. Tolkien's England (Mathew Lions)

A quem eu indico esse meme

-Pensamento Tangencial
-Lost in Chick-Lit
-Angel Books
-Viagem Literária
-Quero morar em uma livraria
-Meninas e seus Livros
-Diário de incentivo à Leitura
-A Leitora
-Romances & Leituras
-As meninas que leem livros

15 de dez de 2011

Minha Meta Literária 2012


Livros, livros e mais livros. Leituras sem fim, essa é a minha meta de leitura pra 2012. E qual é a sua?

Olá. Essa é a minha primeira tentativa de lançar um meme. Acho bem legal essa iniciativa, até já participei de alguns. Memes são uma ótima ferramenta porque podemos divulgar nossos blogs e conhecer outros blogueiros (e quem sabe parceiros), além de descobrir quais são os futuros lançamentos (e se eles entram ou não nas nossas booklists).
Como eu já vi várias retrospectivas literárias, pensei em fazer algo como uma “expectativa literária”. Quais são os livros mais esperados de 2012? Qual é o lançamento que vocês estão esperando mais ansiosamente? São essas, dentre outras, as perguntinhas básicas que os participantes vão responder. Para participar é só fazer o seguinte:

• Deixar um comentário neste post com o seu nome (ou nick que usa na internet), link e título do seu blog.
• As inscrições começam a partir de hoje e irão durar até o fim da blogagem coletiva, a qual vai rolar do dia 18 de Dezembro de 2011 até 31 de Janeiro de 2012.
• Todo dia a partir de hoje vou atualizar o post com os novos participantes.
• As postagens precisam responder o pequeno questionário:

- Minha Booklist de 2012
- A primeira leitura do ano
- Lançamento nacional do ano
- Lançamento internacional do ano
- A continuação de saga mais esperada
- O final de saga mais esperada
- A quem eu indico esse meme (10 blogs)

Quem quiser divulgar, aí vão o link para o Twitter e o selinho para o blog:

#Minha Meta Literária 2012! Participe você também! http://migre.me/7am2H






Blogs participantes:

* Laura Cunha - Leituras de Laura

3 de dez de 2011

Harry e seus fãs de Melissa Anelli– DL 2011


Tema: Lançamentos do ano

Mês: Dezembro de 2011 (Livro II)

Título: Harry e seus fãs: a verdadeira história de um menino-bruxo, seus leitores e os detalhes da vida dentro do fenômeno Harry Potter

Autor do livro: Melissa Anelli

Editora: Rocco

Nº de páginas: 367

Sinopse: Os bastidores do fenômeno Harry Potter, contado por quem entende a magia causada pela chegada do bruxinho à vida de centena de milhares de pessoas. Na obra, entre outras façanhas, a autora conseguiu uma longa entrevista com a criadora (J. K. Rowling) do bruxinho em 2005, deixando centenas de jornalistas ao redor do mundo com inveja. O livro traz um caderno de fotos e tem prefácio assinado pela própria J. K. Rowling. A jovem fã Harry Potter descreve o encantamento provocado pelo maior fenômeno literário de todos os tempos, revive grandes momentos e lista informações exclusivas e detalhadas, que aproximam ainda mais o leitor ao personagem.

Quando vi a capa do livro, o que mais chamou a minha atenção foi… o título. Apesar de o desenho ser legal, desde que eu soube do que se tratava, fiquei louca pra comprar, independente de como a capa seria.

Eu escolhi este livro porque… é o primeiro livro em português escrito por uma fã de Harry Potter que é, realmente, uma fã ardorosa. Porque existem livros que analisam a série, mas eu sempre senti falta daquela paixão que caracteriza alguém que está escrevendo um livro sobre um autor por quem se é completamente louco. Você percebe de cara isso.

A leitura foi… maravilhosa. O livro é exatamente o que está na sinopse: “Os bastidores do fenômeno Harry Potter, contado por quem entende a magia causada pela chegada do bruxinho à vida de centena de milhares de pessoas.” Melissa escreve exatamente o que todo fã gostaria de expressar no papel. Adorei saber mais sobre Harry and the Potters (uma banda de rock inspirada na série), adorei saber o s bastidores de vários eventos criados por fãs e de cada premier dos filmes, gostei de saber como o Leaky Cauldron (um site sobre Harry Potter muito famoso) funcionava, amei quando ela relata que teve a incrível sorte de conhecer alguns autores e principalmente fiquei felicíssima (e morrendo de inveja também) quando li sobre ela conhecendo JKR e quando a autora quis conceder a ela as entrevistas que Melissa descreve no livro. Quer dizer, Melissa já havia falado com a agente de Rowling pedindo uma chance de entrevistá-la. E o que ela recebeu de resposta foi, às vésperas do lançamento de Harry Potter e o Enigma do Príncipe, a própria Jo ligando pra ela perguntando se Melissa poderia ir a Edimburgo entrevistá-la. Morri aqui mesmo. Eu praticamente parei nessa parte do livro pra saborear cada instante que ela descreve do encontro com a autora e me imaginei no lugar dela (como eu queria isso). Antes eu ia ler esse livro primeiro, mas depois pensei em ler por último. Fechando o Desafio Literário 2011 com chave de ouro.

O personagem que eu gostaria de ter entendido (sim, isso mesmo) foi Laura Mallory. De vez em quando a gente lê por aí que alguém considera determinado livro uma obra satânica. Eu soube dessa mulher faz um tempo. Uma americana que foi pra justiça exigir que os livros de JKR fossem retirados da biblioteca escolar de seu filho porque considerava que as obras estimulavam a prática da bruxaria. Na conversa que Melissa teve com ela, Laura expõe seus motivos e explica o caso. Mas eu ainda assim fiquei meio leza, atordoada e exasperada, até porque durante as explicações ela nunca dava motivos plausíveis. Claro, as pessoas gostam e desgostam do que querem, mas ainda assim. Parecia que uma hora ou outra Laura iria cair em contradição. Pior de tudo: ela nunca leu os livros. Pensa no tipo de crítica, totalmente sem fundamentos.

O trecho do livro que merece destaque: são dois trechos.
Apesar das várias teorias, uma coisa que sempre me impressionou na série Harry Potter e que eu sempre tive como acima de todas as outras questões dos livros foi essa: a mãe de Harry se sacrificou por ele. Se ela não tivesse feito isso, a história seria totalmente diferente. Essa pra mim é a questão principal do livro, na qual todo o resto se baseia: o sacrifício de uma mãe por um filho. Então preste atenção nesse trecho, parte da conversa entre Laura Mallory e Melissa (pra embasar suas críticas ridículas a série, Laura fez um vídeo que se referia, dentre outras coisas, ao sacrifício de Lilian Potter como um sacrifício a magia da deusa, relacionando ao culto wiccanno, e comparando a euforia dos fãs por um novo livro com o vício das drogas): “O sacrifício da mãe de Harry é retratado nos livros como um instrumento do bem e do poder do amor, e o vídeo do qual Laura Mallory extraiu sua missão é concebido para nos fazer crer que tal sacrifício é mau e errado, porque tira de Jesus o papel patriarcal de Salvador da Humanidade.”
???????????????? O sacrifício de uma mãe por um filho, MAU E ERRADO?????????? De que planeta essa mulher veio? Como ela pode simplesmente pensar numa coisa dessa? Se fosse um homem fazendo isso, não seria MAU E ERRADO??? Depois que ler essa parte, tive que parar, respirar e ler de novo. De tão chocada que eu fiquei. Agora, só de ler pra escrever aqui, fico me tremendo toda de raiva dessa mulher. O que ela falou só serviu pra levantar um questionamento na minha cabeça: será que, por ser MAU E ERRADO, ela deixaria seu filho morrer ao invés de se sacrificar por ele? Senhor, graças a Deus ela não é minha mãe.
O segundo trecho diz respeito ao momento em que Melissa perguntou por quê ela nunca havia lido os livros (nessa hora, você vê que Melissa ainda tinha um fio de esperança de fazer a mulher mudar de idéia, pensando que se ela lesse os livros, ela entenderia o contexto). A resposta de Laura: “Eu disse: ‘Senhor, eu preciso ler esses livros porque as críticas são inacreditáveis, e como posso fazer o que estou fazendo e não ler os livros?’ Ele sempre me respondeu: ‘Não os leia. Não quero que você sofra a influência desses livros. Há uma missão demoníaca nesses livros’, e foi o que Ele sempre me mostrou.”
Quer dizer...?????????????????????????????????????????????? Deus a mandou não ler os livros??? Sério mesmo??? Nessa hora, eu desatei na gargalhada (pior, no meio do shopping, esperando pra começar a sessão de Amanhecer parte 1). Quem passava do meu lado só me olhava como se eu fosse demente.
Ainda existem outros trechos memoráveis, bons (quando Melissa descreve seu primeiro contato com JKR) e maus (todos dizem respeito à conversa com Laura Mallory. Se você acha que os trechos selecionados acima são ruins, se enganou. Existem comparações piores que a louca faz e que só de me lembrar me deixam louca de raiva).

A nota que eu dou para o livro: 5 (10000000000000000000)

William & Kate de – DL 2011


Tema: Lançamentos do ano

Mês: Dezembro de 2011 (Livro I)

Título: William & Kate: uma história de amor real

Autor do livro: James Clench

Editora: Globo

Nº de páginas: 207

Sinopse: Os súditos da rainha da Inglaterra têm enorme curiosidade de saber o que acontece nas salas do palácio real. E, agora, as atenções estão voltadas para o casamento de William, primogênito do príncipe Charles e da princesa Diana, com Kate Middleton – cujo nome de batismo é Catherine Elizabeth. Coincidência com o nome da rainha? O enredo desse romance está em William & Kate – uma história de amor real.

Quando vi a capa do livro, o que mais chamou a minha atenção foi… na realidade, nada, porque a maioria das capas de livros sobre o casamento de William e Kate, em inglês ou português ou qualquer idioma só tinha uma foto “oficial” do compromisso deles, de quando eles anunciaram o noivado.

Eu escolhi este livro porque… era uma biografia deles que eu queria ler. Não me considero uma “Royal watcher”, mas gosto da história da Inglaterra. E é isso que o Príncipe William é, e agora Kate Middleton, ou Duquesa de Cambridge, também é. A maioria das biografias da realeza britânica está em inglês, então foi ótimo encontrar uma em português (apesar de que esse livro mais repete a história do casal que se leu no DailyMail durante todos esses anos do que outra coisa. E a história também é muito resumida).

A leitura foi… legal, apesar de, como eu já disse, parecer que eu estava lendo algum artigo um pouco acima da média do DailyMail (parece que as fontes do autor fôramos artigos desse jornal, que diga-se de passagem, às vezes são bem mixurucas). Tem umas partes bem legais, bem escritas e é recheado de fotos (mesmo que a maioria delas tenha sido postada e publicada em vários sites na internet e no youtube, que eu já estou cansada de ver). Mas.... A leitura é indicada porque dá um panorama básico (porque o grosso da história mesmo, o que levou as pessoas a tomarem certas decisões, a gente nunca vai saber) do romance dos dois. Também é bom porque percebe-se que nem tudo que é considerado de “conhecimento geral” é mentira, mesmo que os “porquês” o leitor nunca vá saber.

O personagem que eu gostaria de ter entendido (apesar de não ser exatamente essa a palavra) foi a própria Kate. Nem sei explicar direito, mas é mais ou menos isso: ela se formou, mas nunca trabalhou. Todos sempre fizeram parecer que ela estava esperando um anel de compromisso que nunca vinha. Enquanto isso ficava meio... Entendo que é a família real, é uma grande pressão, o príncipe tinha que ter certeza e não ia guiar suas ações de acordo com as piadas imbecis da imprensa (como infelizmente sua mãe fez), mas 9 anos de namoro é muito tempo. È uma das coisas que eu gostaria de saber: como ela preencheu seu tempo (além de festas beneficentes e férias), porque ela agüentou tanto tempo, e principalmente de onde ela tirou coragem pra isso. Porque tem que ter coragem pra fazer parte de uma família real: você ganha bastante, mas perde muito mais. É o tipo de coisa que só vive bem quem nasceu ali (claro, existem exceções).

O trecho do livro que merece destaque: ”William e seus companheiros tiveram a honra de ser inspecionados pela rainha. Sua Majestade parou na frente do neto e murmurou algumas palavras que o fizeram sorrir. Mas ela não fez a pergunta que estava na cabeça de todos: ‘Quando de casará com aquela garota?’.”
Quer dizer, quanta petulância. Como assim o escritor acha que sabe o que a rainha estava pensando? Essa parte merece destaque porque é ridícula. Claro, como escritor, você pode se dar ao luxo de, dentro de um fato, inventar algo, mas fala sério. A rainha Elizabeth é uma das monarcas (e pessoas famosas, devo dizer) mais inacessível que eu já estudei, o que eu acho que é uma coisa boa, numa sociedade onde as pessoas buscam uma exposição cada vez maior (todos os tipos de exposição, aliás). A rainha é tida como o tipo de mulher que nunca demonstra o que pensa, podem observar sua expressão (por exemplo, ela sorriu feliz no dia do casamento de William e Kate, e mesmo sendo óbvio o motivo do sorriso, ninguém sabe o que ela pensava). Então, essa pergunta que o escritor faz é simplesmente sem noção.

A nota que eu dou para o livro: 5

21 de nov de 2011

Livros dentro de livros


A expressão “livros dentro de livros” faz referência a livros que influenciam outros livros. Na literatura, isso existe aos montes, por isso é tão fácil fazer relações entre personagens, lugares ou temas. Por isso, a eterna comparação entre grandes autores.O poema anglo-saxão Beowulf foi uma das fontes de inspiração de J.R.R. Tolkien, autor lido por J.K. Rowling,... e assim vai.
Pensando nessas relações resolvi fazer uma série de posts sobre esse assunto. Primeiramente, vou citar uma das trilogias mais fantásticas que já li: Mundo de Tinta, do qual fazem parte Coração de Tinta, Sangue de Tinta e Morte de Tinta. Em cada capítulo de cada um desses livros, existe uma epígrafe que está relacionada à situação que o capítulo conta. Dentre as obras citadas por Cornelia Funke, estão Harry Potter, O Senhor dos Anéis, a trilogia Fronteira do Universo, até uma das obras de Carlos Drummond de Andrade.


Outras coleções que fazem referência aos grandes clássicos da literatura são Clássicos da Literatura Disney e Pateta Faz História. Gibis, sim, mas não deixa de ser cultura, afinal quem nunca leu um gibi do Tio Patinhas e se divertiu com os calotes do Zé Carioca e maluquices do Pateta? Eu sempre gostei, e essas versões são tão divertidas. Cada gibi é uma paródia de determinado clássico ou de evento ou personalidade da história. Altamente recomendadas, assim como as obras parodiadas,

Como falei no post sobre ensinar literatura através da leitura de literatura, estou anotando e pesquisando sobre as obras relacionadas nestas coleções para começar as indicações de leitura.

14 de nov de 2011

Ensinando literatura através da leitura de literatura

Aproveitando o ensejo, ao postar no Meu Cantinho Literário sobre lições e guias para ensinar Tolkien e sua obra, resolvi postar aqui também sobre como usar os best-sellers atuais como Harry Potter para ensinar literatura e estimular o gosto pela leitura nos jovens. Alguns artigos discutem isso, como foi postado no site Educar Para Crescer, onde se pode ver uma seleção de livros que se tornaram os mais vendidos.

Dentre eles, está a trilogia Mundo de Tinta de Cornelia Funke, a coleção O Diário da Princesa, dentro outros. Um artigo que eu traduzi e já postei aqui fala dos livros que os leitores de Harry Potter poderiam ler e até fazer relações entre as histórias. São eles:

C.S.Lewis – Crônicas de Nárnia
Ursula Le Guin – Earthsea
Lene Kaaberbol – The Shamer’s daughter
Christopher Paolini – Eragon,
Cornelia Funke – Dragon Rider
Philip Pullman – Fronteiras do Universo
Charles de Lint – The blue girl
Holly Black e Tony DiTerlizzi – As Crônicas de Spiderwick
Eoin Colfer – Artemis Fowl
Debi Gliori – The pure dead magic
Jenny Nimmo – The children of the Red King
Garth Nix – The old Kingdom


Alguns eu já conhecia, outros não. Estou pesquisando sobre cada obra para depois postar um resumo de cada uma delas.

6 de nov de 2011

Forget-me-not, por Lu Darce


A Lu Darce, do blog Coruja em Teto de Zinco Quente, resolveu soltar a imaginação e escreveu uma pequena história de fantasia postada em capítulos no seu blog. Forget-me-not é um pequeno conto de fadas, com romance, aventura e magia. As ilustrações são tão lindas quanto a história e podem ser vistas num post especial onde a Lu fala do trabalho de sua ilustradora, Dani. Eu estou lendo e adorando. Então resolvi montar a lista dos links para os capítulos, pra quem quiser ler e se deliciar com essa história.

Introdução
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10

4 de nov de 2011

As melhores histórias da mitologia nórdica de A. S. Franchini e Carmen Seganfredo – DL 2011


Tema: Contos

Mês: Novembro de 2011 (Livro II)

Título: As melhores histórias da mitologia nórdica

Autor do livro: A. S. Franchini e Carmen Seganfredo

Editora: Artes e Ofícios

Nº de páginas: 328

Sinopse: As Melhores Histórias da Mitologia Nórdica reúne, num único volume, as principais lendas relativas à mitologia dos povos que habitaram, nos tempos pré-cristãos, os atuais países escandinavos (Noruega, Suécia e Dinamarca), além da gélida Islândia. Este conjunto de mitos também teve especial desenvolvimento na Alemanha, que foi a grande divulgadora da cultura dos nórdicos. Com a expansão das navegações vikings, esta difusão alcançou os povos de língua inglesa e deixou sua marca na própria denominação dos dias da semana destes países (Thursday, por exemplo, é o "dia de Thor", e Friday, "dia de Freya".)
Fonte de inspiração para as mais variadas áreas, a mitologia nórdica influenciou uma legião de artistas na criação de suas próprias obras, tal como o escritor inglês J. R. R. Tolkien e o argentino Jorge Luís Borges. Também o compositor alemão Richard Wagner utilizou as lendas vikings para compor a famosa tetralogia operística O Anel dos Nibelungos, que apresentamos sob a forma romanceada de uma pequena novela, na segunda parte deste volume. Nestas histórias, não faltam ação, romance e até a presença de uma insuspeita veia cômica, já que a maioria dos personagens transitam pelo grotesco, numa profusão de anões, gigantes e elfos. Eis aqui uma das principais "raízes" das modernas sagas de RPG.

Quando vi a capa do livro, o que mais chamou a minha atenção foi… o desenho da espada. E obviamente para um fã ardoroso de Tolkien, o dizer sobre a obra que incluia uma versão romanceada da ópera de Richard Wagner, Anel dos Nibelungos.

Eu escolhi este livro porque… contém duas versões do mesmo mito: o homem que mata o dragão e fica com seu tesouro, tomando posse de um anel de grande poder, e que acaba sendo a ruína de sua vida. Vou explicar esse papo de duas versões: existe a versão germânica, um poema germânico antigo (feito Beowulf e Ilíada) no qual Wagner se baseou para compor sua obra, e a versão nórdica. Pode parecer a mesma coisa, mas não é: os germânicos são a atual Alemanha e os nórdicos são alguns países de origem viking.

A leitura foi… ma-ra-vi-lho-sa! Eu simplesmente amei esse livro porque contem, como eu já disse, duas versões do mesmo mito (como eu sou apaixonada por essa história dos nibelungos e seu tesouro, consegui identificar de cara as semelhanças e diferenças entre as variações), e sempre quis ler uma versão, digamos, melhorada, daquela existente na Wikipédia da ópera de Wagner. Como eu não consegui até hoje, mesmo procurando feito uma louca, achar o poema original na internet (mesmo em inglês), eu queria muito saber mais sobre a ópera, mesmo sabendo que existem muitas diferenças. Eu também já havia visto o filme Maldição do Anel (que eu conheci porque virei fã de Robert Pattinson quando descobri que ele faria Cedrico Diggory no quarto filme de Harry Potter – viu só, uma coisa leva a outra), inspirado em Wagner, e queria saber mais sobre Siegfried e as valquírias. Adoro as mitologias nórdica e germânica porque foram as maiores fontes do grande mestre Tolkien e porque ao mesmo tempo, diferem e assemelham-se bastante as mitologias mais conhecidas, grega e romana (que eu adorava, mas como tudo que é demais enjoa,...)

O personagem que eu gostaria de ter entendido melhor foi o próprio Wotan (na versão nórdica, Odin). O grande deus. Ele permite que seu filho seja morto por outro somente para depois matar o assassino vingando, assim, a morte do filho. O detalhe é que ele deixou o filho ser morto porque o homem tinha cometido um erro (passível de duelo e morte). Então ele fez o “certo”, mesmo que isso custasse a vida de seu corajoso filho. È tipo aquela coisa de que, mesmo que doa a Deus as ações humanas, Ele tem que nos deixar colher os frutos (doces e amargos) de nossas ações.

O trecho do livro que merece destaque: todo o livro merece destaque.

A nota que eu dou para o livro: 5 (aka 10)

A cartomante de Machado de Assis – DL 2011


Tema: Contos

Mês: Novembro de 2011 (Livro I)

Título: A cartomante

Autor do livro: Machado de Assis

Editora: Jorge Zahar

Nº de páginas: 32

Sinopse: A cartomante é a história de um triângulo amoroso. Depois de anos de distância, Vilela reencontra o amigo Camilo e apresenta-lhe sua esposa, Rita. Paixão, traição e adultério fazem parte desta trama, que tem uma cartomante como personagem chave, selando o destino dos três. O conto foi publicado originalmente em 1884.


Quando vi a capa do livro, o que mais chamou a minha atenção foi… o cenário ao fundo, com os personagens principais em primeiro plano. Parece um desenho antigo.



Eu escolhi este livro porque… nunca, pelo menos que eu me lembre, havia lido um conto.



A leitura foi… legal. Não sei por quê, mas eu gosto de histórias sobre traição. Acho que é porquê eu fico ansiosa para saber o que os traídos farão e quando, fico na expectativa da descoberta, que na maioria das vezes é mais legal de ler do que sobre os perigos dos encontros clandestinos. Também gostei da cartomante (apesar de não conseguir acreditar muito nessas coisas), que graças a Deus não tirou a emoção do final, mesmo respondendo aos questionamentos e dúvidas de Camilo.



O personagem que eu gostaria de ter ajudado foi ninguém. Queria mais era que o romance fosse descoberto mesmo. Traidores merecem ser expostos à vergonha.



O trecho do livro que merece destaque:.”Camilo quis sinceramente fugir, mas já não pôde. Rita, como uma serpente, foi-se acercando dele, envolveu-o todo, fez-lhe estalar os ossos num espasmo, e pingou-lhe o veneno na boca. Ele ficou atordoado e subjugado. Vexame, sustos, remorsos, desejos, tudo sentiu de mistura, mas a batalha foi curta e a vitória delirante. Adeus, escrúpulos!” Eu destaco essa parte para falar sobre a minha indignação com o fato de que, como sempre, a culpa da traição é sempre em primeiro lugar da mulher. Acho que os autores (e as pessoas de forma geral) deveriam salientar o fato de que, se os HOMENS não fossem tão pateticamente fracos e totalmente suscetíveis a luxúria, muita coisa ruim poderia ser evitada.



A nota que eu dou para o livro: 5

2 de nov de 2011

Faith H. Wallace - Fazendo conexões: Livros para fãs de Harry Potter

Esse texto é uma tradução de um artigo muito bom que fala sobre outros livros que os fãs de Harry Potter podem ler. Pela leitura, percebe-se que quando ele foi escrito, ainda faltavam um ou dois livros finais da série, então o artigo discute sobre possíveis finais, ao mesmo tempo em que traça paralelos com outras obras de fantasia, indicando-as como possíveis leituras.

Faith H. Wallace - Fazendo conexões: Livros para fãs de Harry Potter

31 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 31

Qual o livro que você leu esse ano que mais gostou?


Difícil. Esse ano eu li duas trilogias que, confesso, mesmo antes de ver boas recomendações (e apesar de suas adaptações para o cinema terem sido totalmente deturpadas), eu simplesmente amei. A primeira foi Fronteiras do Universo. Eu li os dois primeiros para o Desafio Literário 2011 e tive que ler o outro logo em seguida, porque a história é fantástica.


A segunda foi Mundo de Tinta. uma história dentro de outras histórias. Livros dentro de livros, além de mostrar o trabalho do encadernador. Eu simplesmente amei essa trilogia. As epígrafes dentro de cada capítulo foram o que mais me chamou atenção, porque cada uma tem a ver certinho com o que aquele capítulo descreve. E me deu muita vontade de começar a trabalhar com encadernação, um assunto dentro da minha profissão que sempre me chamou atenção.

30 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 30

Qual foi o último livro que você comprou?


Comprei dois (até agora) da minha booklist. Os dois aí de cima. Ainda não li, estou me segurando pra pegar neles só em dezembro (pro Desafio Literário 2011) ou até pro ano que vem, quem sabe... Até porque ainda tenho outros pra comprar e hoje acabei adicionando mais alguns na minha lista. Ai meu bolso...

29 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 29

Quantos livros em média você costuma comprar por mês?

Eu costumava (isso mesmo, no passado, porque agora estou contendo despesas...) comprar de 3 a 6 livros. Agora, até que eu comece a trabalhar de verdade, com carteira assinada e tudo, estou maneirando. Mas esse final de ano vou tirar a forra: se conseguir comprar todos, serão 6 novos títulos para a minha estante.

28 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 28

O que você faz quando encontra uma palavra que não conhece durante a leitura?


Eu não faço hoje e não me lembro de ter feito isso alguma vez na vida: procurar no dicionário. Seria o certo a fazer, segundo minha mãe, mas eu sempre fiquei com preguiça de parar a leitura para procurar uma palavra. Eu memorizava a palavra e depois ia atrás do significado.

27 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 27

Você costuma fazer anotações enquanto lê?


Só quando estou lendo por estudo. No meu TCC sobre Tolkien, li um livro maravilhoso, O Mundo de Tolkien, de David Day, que aborda, se não todas, a maioria das influências de Tolkien. Eu já namorava com esse livro muito antes, então o TCC só foi uma justificativa para comprá-lo. Mas acabei nem usando as anotações que fiz. Tive que excluir esse capítulo do meu trabalho porque já estava muito grande. Mas eu ainda tenho essas anotações e não vejo a hora de transformá-la em artigo ou algo assim, pra poder partilhar na net :)

26 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 26

Qual o maior (em número de páginas) livro que você já leu?


O volume único da trilogia O Senhor dos Anéis. Quando eu fui comprar os livros, inicialmente ia levar só O Hobbit e a trilogia, mas aí descobri O Silmarillion. Como eu queria levar todos os livros de e sobre Tolkien, e o dinheiro não ia dar pra comprar a trilogia em livros separados, tive que levar o volume único. Foi o maior livro que eu já li em números de páginas. Chegou uma hora que já estava me agoniando a história não acabar. A letra miúda também não ajudava... Isso sem falar na marca horrorosa que ficou na lombada, por causa da abertura do livro. Passei essa edição adiante quando comprei a trilogia separada, com as capas ilustradas por Tolkien.

25 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 25

Tem algum livro que você tenha mais de uma edição do mesmo?


Tenho. Por causa das capas (da editora Best Seller) e por serem edições bilíngues (da editora Landmark) dos livros de Jane Austen. Me apaixonei pelas ilustrações, que são, na verdade, pinturas. Só não consegui comprar Orgulho e Preconceito, mas tenho Emma e Razão e Sensibilidade.

24 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 24

Você lê um livro por vez ou gostar de alternar a leitura em dois ou mais livros?


Antes, eu lia um por vez. Agora leio vários por vez. Dois, às vezes mais. Agora, estou lendo somente O Retrato de Dorian Grey, mas só porque ainda não comprei outros da minhs booklist.

23 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 23

Você costumar ler e-books?


Comecei a ler e me acostumei. Por causa do Desafio Literário do ano passado, e desse ano também. Porque a maioria dos livros eu não compro de jeito nenhum. Não são o tipo de leitura que eu gosto, então não compro. O jeito foi me acostumar com ebook. E como é cansativo. Prefiro mil vezes o livro em papel, e é por isso que eu tenho certeza que o livro em papel nunca vai sair de circulação, não importa o que os outros digam e o quanto a tecnologia evolua.

22 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 22

Cite um ou dois livros com títulos que você acha interessante.


Estava comentando sobre isso no Facebook. O livro Persuasão, antes chamado The Elliots. Estavam falando sobre a mudança no título. Eu prefiro Persuasão, mesmo. Fala mais sutilmente da história do livro, ao contrário de The Elliots, que é a família a qual a protagonista da história pertence.


O outro livro é Inkheart ou Coração de Tinta. É um título bastante sugestivo para um livro de fantasia. E diz tudo, sobre a história que conta e sobre aquelas nas páginas de todos os livros de fantasia. (Coração, o centro de tudo. Tinta, material utilizado para escrever. Ao se ler Coração de Tinta, o leitor mergulha em uma história que fala sobre o lado de lá, um mundo que muitas vezes o leitor transforma em realidade através de sua própria imaginação).

21 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 21

Quanto tempo em média você demora para ler um livro?




Depende. Antes eu lia um livro só, e se fosse legal, eu lia direto até acabar (só parava mesmo pra comer, tomar banho e outras coisas). Hoje eu geralmente leio mais de um livro simultaneamente, só pra prolongar a história, principalmente quando eu não quero que acabe de jeito nenhum. Já passei dois meses lendo três livros simultaneamente... Uma forma de responder essa pergunta é a leitura que faço pro Desafio Literário 2011. Como são dois livros por mês, eu tento ler os dois em uma semana porque fico querendo ser uma das primeiras a postar o link pra divulgar a resenha :)

20 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 20

Você gosta de poesias?



Não mesmo. Só as épicas, apesar de nunca ter conseguido terminar a leitura da Ilíada traduzida por Haroldo de Campos. O único livro de poesia épica que li a maior parte foi Os Lusíadas. Acho que foi a partir daí que eu comecei a gostar desse estilo de poesia.

19 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 19

Qual é o livro que você leu, gostou e recomenda para todo mundo ler também?


Livros dos meus escritores favoritos, geralmente. Mas a maioria dos livros que eu leio e gosto acabo recomendando. Alguns deles já citei aqui no Meme, recomendo além de autores como Jane Austen, Tolkien, Rowling e Lewis, a coleção Herança (Christopher Paolini), as trilogias Fronteiras do Universo (Phillip Pulman) e Mundo de Tinta (Cornélia Funke), a coleção de livros Diário da Princesa (Meg Cabot) e vááários outros.

18 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 18

Você lê livros que não são para sua idade?



Tipo... Como assim? Quais livros não são para minha idade? Acho que essa questão depende (não só) da mentalidade.
Acho que devo encarar essa pergunta como: "Você lê livros que não são mais para sua idade?" Nesse caso, a resposta seria sim. Leio muitos livros da Disney, as mesmas coleções que lia quando era pequena. Também leio gibis da Disney e entrei agora na onda da Turma da Mônica Jovem.
Agora, quanto à sua pergunta original, não consigo pensar em nenhum livro proibido a uma jovem de 25 anos. Até porque quando penso em livros proibidos, me vem logo a cabeça repressão, ditadura e coisas assim. E não estou vivenciando nada assim. Também não acho que possa considerar como leitura inadequada para minha idade livros sobre maçonaria, então...

17 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 17

Cite um livro que você achou que iria gostar e acabou não gostando.


A primeira leitura do Desafio Literário esse ano. Alice no País das Maravilhas. Queria ler porque queria comparar com a versão da Disney. Mas como no filme, não gostei. Acho que por causa de toda a intenção lógica implícita. E lógica e matemática não combinam comigo. Valeu a leitura porque finalmente li a versão original, coisa que eu gosto bastante, mas só por isso também.

16 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 16

Cite um livro que você achou que não iria gostar e acabou adorando.



Não é exatamente que eu achasse que não iria gostar. Mas com esse tipo de livro eu sempre fico com o pé atrás. Outra leitura do Desafio Literário 2010, esse livro acabou sendo legal porque a protagonista, depois de sempre ser "passada pra trás" pela amiga linda e maravilhosa (o caso clichê da quietinha que perde tudo para a amiga gostosa), acabou se tornando mais autoconfiante. E ficou com o cara que ela queria.

15 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 15

Qual é o seu vilão literário favorito?



Lord Voldemort, sem dúvida. É um vilão cuja história de família é bastante complexa. Assim como sua própria história. As horcruxes, a crença em sete objetos mágicos, a completa ignorância quanto aos sentimentos humanos e a falta de consciência quanto às coisas realmente importantes na vida fazem dele um personagem interrogativo.
Uma mente brilhante? Sim. Uma personificação do mal? Sem dúvida. Mais do que isso: um anti-herói que espelha em si muito dos sentimentos mais negativos e podres que cada um de nós têm dentro de si.

14 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 14

Se você pudesse fazer uma pergunta para o seu escritor preferido (vivo ou morto), qual seria o escritor e qual seria a pergunta?



Complicou de novo... Mas vamos lá.
Dentre meus escritores favoritos, três estão mortos: Jane Austen, C.S. Lewis e J.R.R. Tolkien. Então, a pergunta seria uma só, mas qualquer um deles poderia me responder. A pergunta seria: "Você gostou da adaptação de sua obra-prima para o cinema?" Principalmente Tolkien, que era tão cético quanto a qualquer tipo de adaptação de suas obras (não posso culpá-lo, as propostas eram muito sem noção).

13 de out de 2011

C.S. Lewis

As obras mais famosas de Lewis contam a história do mundo de Nárnia, desde sua criação pelo leão Alsam até sua destruição. O primeiro livro, O Sobrinho do Mago, mostra como Aslam criou Nárnia, e a origem da Feiticeira Branca, ao mesmo tempo em que explica como poste de luz londrino foi parar em Nárnia e o papel do jovem Digory Kirke na história.
N’O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, o leitor é novamente transportado ao mundo de Nárnia com os irmãos Pevensie. Dentro de um guarda-roupa, eles descobrem uma passagem secreta para o mundo de Aslam, onde irão combater e derrotar a Feiticeira Branca. Em O Cavalo e seu Menino, é mostrado o reinado dos reis e rainhas de Nárnia (os irmãos Pevensie), enquanto narra a história do cavalo falante Bri e o garoto Shasta, cativos na Calormânia.
Em Príncipe Caspian, narra-se o retorno dos irmãos Pevensie a Narnia após 1.300 anos (na realidade, passou-se somente um ano). Eles se unem ao príncipe telmarino Caspian X, que busca recuperar seu trono do usurpador Miraz. N’A Viagem do Peregrino da Alvorada, só Lucy e Edmund voltam à Nárnia, levando por acaso seu primo Eustáquio. Eles se juntam ao rei Caspian X no navio Peregrino da Alvorada em busca dos sete lordes banidos por Miraz.
Em A Cadeira de Prata, somente Eustáquio está de volta. Com sua prima Jill, ele encontra Caspian X agora bastante idoso e triste, pois seu filho Rilian está desaparecido há anos, seqüestrado pela Feiticeira Verde. Com a ajuda de Aslam, eles resgatam o príncipe. N’A Última Batalha, o último livro, Nárnia é um país invadido pelos calormanos. Uma violenta querra acontece e Aslam decreta o fim de Nárnia. No fim, todos os “amigos de Nárnia”, os humanos e criaturas fiéis a Nárnia, se encontram no país de Aslam.


As Crônicas de Nárnia são o que eu gosto de chamar de “histórias curtas” sobre os acontecimentos do mundo de Nárnia, abordando desde sua criação até sua destruição. Aslam é o Senhor de Nárnia, no sentido sagrado da palavra (os paralelos com Jesus Cristo são inumeráveis); ele personifica a bondade, o amor, a abnegação e o sacrifício feito por aqueles que se amam. Com estes sete livros, onde sutilmente se fala sobre temas cristãos, o ex-ateu Clive Staples Lewis estabeleceu dentro da literatura britânica uma forte orientação moral e religiosa.

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 13

Se você pudesse trocar de lugar com o personagem de um livro, qual seria?



Gostaria de ser qualquer uma das heroínas de Jane Austen, exceto Catherine Morland. Mas de todas, adoraria ser Lizzie Bennet. Quer dizer, quem não gostaria de ser amada por um Mr. Darcy? Faria qualquer coisa para ficar no lugar de Lizzie pelo menos por um dia. Mas também adoraria ser uma elfa de Lothlórien ou Arwen Undómiel, rainha de Gondor.

12 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 12


Se você pudesse conhecer um lugar/mundo que só existe nos livros, qual seria?

Minas Tirith (John Howe)

Ai, meu Deus, como tem pergunta complicada de responder nesse meme! Não dá pra escolher um lugar só. Apesar de que eu A-MA-RIA visitar, se existisse, a Terra-média, não posso deixar de pensar no Castelo de Hogwarts e em Nárnia. Esses lugares estão empatados... Afe. Mas já que tem que escolher, lá vai: Terra-média. A Nova Zelândia e todas as locações reais utilizadas nos filmes d'O Senhor dos Anéis foram a melhor escolha, e se a Terra-média existisse, gostaria que fosse exatamente como retratado no cinema. E lá, gostaria de conhecer Valfenda e Minas Tirith.

Tirion (Ted Nasmith)

Dentro do cânone literário tolkeniano, também gostaria de conhecer Tirion, cidade dos elfos Noldor em Valinor, e a ilha de Númenor.

11 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 11

Cite um livro que fez você rir.



Eu li esse livro para o Desafio Literário do ano passado. Poucas vezes eu ri tanto de um livro de escritor brasileiro como ri lendo esse. A leitura é bastante divertida, o leitor ri do começo ao fim porque o livro realmente fala sobre as mentiras que os homens contam. E o pior de tudo é que quando eles falam a verdade, já sabem que as mulheres, sejam esposas, mães, amantes e outras não vão acreditar. Então eles falam logo a mentira para serem perdoados. Aí as mulheres acreditam. As histórias são hilariantes, realmente tratam do cotidiano das pessoas, são impagáveis. Recomendo ler e reler e reler sempre que precisar rir.

10 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 10

Se você pudesse escolher um único livro para ganhar/comprar até o final do ano, qual seria?


Mais uma pergunta difícil. Até o fim do ano, espero comprar não somente um, mas pelo menos três dos lançamentos do ano. Não dá pra escolher um só, tem que ser esses três: Eu fui a melhor amiga de Jane Austen (Cora Harrison), Aprendi com Jane Austen (William Deresiewicz) e Assassin's Creed: Renascença (Oliver Bowden). Os dois primeiros são baseados em Jane Austen, que eu adoro, e o último é sobre o jogo homônimo. Apesar de nunca ter jogado, os vídeos postados por fãs no youtube e o enredo da história me atrairam.

9 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 09

Você costuma ficar com todos os livros que compra?


Sim. Até porque eu só compro os que eu tenho certeza absoluta que vou gostar, como por exemplo algo sobre os meus autores favoritos. Depois de ler, mesmo que eu não goste do livro, eu guardo porque é sobre aquele determinado autor.
Atualmente, me conscientizei de que a febre da saga Crepúsculo foi, para mim, só isso mesmo, uma febre. Só comecei a ler porque sigo os trabalhos do Robert Pattinson (que é um ator promissor, apesar desse Edward tão melodramático, eca), estava carente porque Harry Potter tinha acabado e estava atrás de uma nova coleção. Mas me decepcionei totalmente com a história. O romantismo excessivo de Edward começou a me enjoar, a dependência absurda de Bella começou a me enojar (eu ODEIO heroínas literárias, se é que Bella merece ser considerada assim, dependentes de homem, de uma relação amorosa) e a ficar patética demais, essa visão de vampiros matando animais (tá certo que era para não matar humanos, mas mesmo assim), enfim. O último livro, totalmente diferente da história que eu queria que acontecesse, foi uma decepção. Está guardado com o resto da coleção, e só comprei mesmo para ter. Estou esperando o último filme sair para decidir o que fazer com essa coleção.

8 de out de 2011

Travessuras de menina má de Mario Vargas Llosa – DL 2011


Tema: Nobel de literatura

Mês: Outubro de 2011 (Livro Reserva II)

Título: Travessuras de menina má

Autor do livro: Mario Vargas Llosa

Editora: Alfaguara

Nº de páginas: 304

Sinopse: O peruano Ricardo vê realizado, ainda jovem, o sonho que sempre alimentou - o de viver em Paris. O reencontro com um amor da adolescência o trará de volta à realidade. Lily - inconformista, aventureira e pragmática - o arrastará para fora do pequeno mundo de suas ambições. Ricardo e Lily - ela sempre mudando de nome e de marido - se reencontram várias vezes ao longo da vida, em diferentes cidades do mundo que foram cenários de momentos emblemáticos da História contemporânea. Na Paris revolucionária dos anos 60; na Londres das drogas, da cultura hippie e do amor livre dos anos 70; na Tóquio dos grandes mafiosos dos anos 80; e na Madri em transição política dos anos 90. Assim, ao mesmo tempo em que conta a história de um amor arrebatador, 'Travessuras da menina má' traça um quadro vigoroso das transformações sociais européias e convulsões políticas da América Latina. Muitas das experiências de vida de Vargas Llosa aparecem aqui, através de seus personagens - os tempos de penúria em Paris, seu trabalho como tradutor, sua simpatia pela revolução cubana, e a ligação permanente com seu país de origem, o Peru. Criando uma tensão entre o cômico e o trágico, numa narrativa ágil, vigorosa e terna, que conduz o leitor nesta dança de encontros e desencontros, Mario Vargas Llosa joga com a realidade e a ficção para contar uma história em que o amor se mostra indefinível, senhor de mil faces, como a menina deliciosa e má.

Quando vi a capa do livro, o que mais chamou a minha atenção foi… a imagem de uma mulher com um livro na mão. Não acho que tenha algo a ver com o enredo do livro.

Eu escolhi este livro porque… nunca havia lido nada do autor.

A leitura foi… legal. No início, tive um pouco de dificuldade, mas depois a história se torna interessante, principalmente depois que se chega no primeiro reencontro de Ricardo e Lily. Digo “primeiro” porque à medida que a história corre, e o fundo histórico muda, os reencontros vão se sucedendo uns aos outros. Uma das coisas boas é que o leitor sabe que o tempo está passando, mas não percebe, apesar da boa descrição dos acontecimentos históricos.

O personagem que eu gostaria de ter ajudado foi a Lily. E o Ricardo, também. Aliás, mais do que a própria Lily. No caso dele, “ajudar” não é a palavra certa. Apesar de gostar (um pouco) da idéia de um homem amando uma única mulher desde a adolescência até sua idade adulta, ele fazia papel de idiota às vezes. Na maioria das vezes. E o pior é que ele sabia.

O trecho do livro que merece destaque: todo o livro merece destaque.

A nota que eu dou para o livro: 5

O velho e o mar de Ernest Hemingway – DL 2011


Tema: Nobel de literatura

Mês: Outubro de 2011 (Livro I)

Título: O velho e o mar

Autor do livro: Ernest Hemingway

Editora: Bertrand Brasil

Nº de páginas: 128

Sinopse: Depois de passar quase três meses sem fisgar um peixe, escarnecido pelos colegas de profissão, o velho Santiago enfrenta o alto-mar, sozinho, em seu pequeno barco. Quer provar aos outros e a si mesmo que ainda é um bom pescador. É em completa solidão que ele travará uma luta de três dias com um peixe imenso, um animal quase mitológico, que lembra um ancestral literário, a baleia Moby Dick. À medida que o combate se desenvolve, o leitor vai embarcando no monólogo interior de Santiago, em suas dúvidas, sua angústia, sentindo os músculos retesados, a boca salgada e com gosto de carne crua, as mãos úmidas de sangue. Por fim o peixe se dobra à força do pescador. Mas a vitória não será completa - surgem os tubarões... Escrito num estilo ágil e nervoso, máxima depuração da prosa jornalística do autor, o livro explora os limites da capacidade humana diante de uma natureza voraz, onde todos os elementos estão permanentemente em luta, numa autodevoração sem fim.

Quando vi a capa do livro, o que mais chamou a minha atenção foi… perceber, logo de cara e antes mesmo de ler a sinopse do livro, que a capa tem tudo a ver com o livro.

Eu escolhi este livro porque… nunca havia lido nada do autor. Por causa também do tema. E por curiosidade mesmo.A leitura foi… legal. Nunca havia lido nada desse autor. A linguagem é acessível, a história é boa, acho que porque eu gostei de Moby Dick quando li, e o peixe com o qual ele luta, como a sinopse diz, pode ser considerado tão sobrenatural quanto a baleia daquela história. Acho que a história mexe com o leitor porque acaba se imaginando na situação do velho: sozinho, em alto-mar, tendo que se virar sozinho para enfrentar a natureza que age, nem sempre dando espaço para o homem. A parte dos tubarões me arrepiou toda.

O personagem que eu gostaria de ter ajudado foi o velho Santiago. Sozinho, em pleno alto-mar, isso mexe com a mente de qualquer um.

O trecho do livro que merece destaque: difícil. São tantas passagens boas. Acho que a parte em que após ele vencer o tal peixe mitológico, os tubarões aparecem.

A nota que eu dou para o livro: 5

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 08

Quantos livros você tem? Qual o autor que você tem mais livros?


Indiscutivelmente, J.R.R. Tolkien. Além de ser um dos meus autores favoritos, é sobre ele que existem mais traduções para o português. Eu poderia comprar livros em inglês sobre Jane Austen, J.K.Rowling e C.S.Lewis (outros favoritos), se vendessem aqui. Comprar importado é caro demais.
Agora, quantos livros eu tenho... Fazendo a conta de cabeça, acho que ficam entre 50 e 100. Juntando meus livros de literatura e história, acadêmicos ou de lazer. É muita coisa mesmo... E olha que esses são os MEUS mesmo, ainda existem espalhados pela casa coleções variadas.

7 de out de 2011

O Meme Literário de Um Mês 2011 - Dia 07

Você costuma emprestar ou pegar livros emprestados?


Perguntinha complicada... Eu não gosto de fazer com os outros uma coisa que eu gostaria que não fizessem comigo. Se eu peço um livro emprestado, vou estar dando o direito da pessoa também me pedir emprestado. Se ela disser sim, eu vou ter que dizer sim (e se a pessoa for relaxada, é complicado, porque eu sei que EU tomo conta direitinho do que me emprestam), se ela disser não, eu também vou dizer não (aqui também depende, se a pessoa diz não, mas ela não é egoísta, eu penso se empresto ou não). Há um tempo atrás, eu emprestei O Hobbit pra minha prima e ela detonou ele. Quase tive um troço. Também emprestei um antigão que tinha, ganhei de herança da minha falecida avó, pra outra prima e ela simplesmente perdeu. Mais uma vez, quase enfartei. Da outra vez, uma colega de colégio pegou o meu Diário de Laura Palmer e nunca devolveu. Então, agora, não empresto de forma alguma. E penso duas vezes antes de pedir emprestado também.

6 de out de 2011

Um Guia Bibliográfico sobre J.K. Rowling e sua obra

Desde o ano passado, mais precisamente desde que comecei a escrever meu TCC, estou trabalhando em guias bibliográficos sobre meus autores favoritos: J.R.R. Tolkien, Jane Austen, J.K. Rowling e C.S. Lewis. Tive essa idéia devido a dificuldade em se encontrar fontes, fosse elas livros ou até mesmo trabalhos acadêmicos e artigos, que abordassem esses autores e suas obras.

Quanto ao guia bibliográfico de J.K.Rowling, comecei a trabalhar nele depois que o de Jane Austen e Tolkien estavam mais da metade prontos. Na verdade, fui trabalhando nos quatro guias simultaneamente, pois alguns trabalhos acadêmicos analisam as semelhanças entre dois destes autores.



Aproveitando que estamos em outubro, mês em que o Pottermore seria liberado a todos os fãs, aproveito para publicar aqui meu guia sobre a autora. O guia não está finalizado, à medida em que forem lançados novos livros e referências, vou atualizando. Então, fiquem de olho, ok? Pois se Harry Potter já era objeto de estudo antes do lançamento do último livro, agora é que não vai faltar gente querendo estudar essa obra.